Translations

A sociologia como religião

The Sacred Project of American Sociology
Smith, Christian
New York: Oxford University Press, 2014.

Já se sabia, faz algum tempo, que a esquerda mantém a academia sob sequestro. O livro de Christian Smith O projeto sagrado da sociologia americana é um estudo de caso sobre esse fenômeno numa disciplina em que o controle da esquerda é quase total, analisado da perspectiva de sua especialidade — a sociologia da religião.

Smith, professor da Universidade de Notre Dame, acredita que a sociologia acadêmica teve auspicioso começo enquanto empresa científica, secular e naturalística. Com o passar do tempo, entretanto, ela perdeu muito de sua objetividade acadêmica. Atualmente, “A sociologia americana é melhor compreendida como projeto profundamente sagrado” (p. X). O autor emprega o termo “Sagrado” no sentido que lhe dá Durkheim, ou seja, alguma coisa sacrossanta, reverencial e inquestionável.1

Na minha opinião, o projeto sagrado que Smith descreve no Capítulo 1 mostra impressionante semelhança com a ideologia do marxismo cultural ou da justiça social, embora ele não faça uso dessas expressões. Esse projeto sagrado (daí as maiúsculas: O Projeto) consiste numa perquirição espiritual, num tipo de religião secular que busca abolir a desigualdade humana, as hierarquias humanas, os constrangimentos sobre os homens da parte de outros homens ou até mesma da natureza. Tais objetivos inalcançáveis e utópicos provocaram frustração e fanatismo no passado, não se podendo esperar efeito diverso da mesma causa no futuro.

As ideologias políticas podem, às vezes, reunir conceitos nebulosos, e a alguns estudiosos não agrada a tentativa de entendê-las segundo o esquema de esquerda e direita. Mas esse é um modelo útil aqui para efeito de contraste. A autêntica Direita acredita na nobreza dos laços do dever e da lealdade que ligam um homem à sua família, à sua comunidade e à sua etnia. Antes que a igualdade, a Direita celebra a excelência — força, beleza, inteligência. A desigualdade e a hierarquia são intrínsecas à condição humana, e alguma coação sobre indivíduos e grupos é, com frequência, necessidade positiva. E a Direita, quando no poder, busca acabar com a injustiça, a exploração e a pobreza, mas seus esforços nesse sentido não são de alcance global, limitando-se ao âmbito de suas próprias comunidades étnicas.

Ao contrário, O Projeto consiste num individualismo autocentrado. Ele procura “a emancipação, a igualdade, a afirmação moral de toda a humanidade como conjunto de indivíduos enquanto agentes autônomos de si mesmos […] que devem viver suas vidas como bem entenderem e construir para si a identidade que desejarem, estabelecendo as relações e vivências como for de sua vontade […]” (p. 7-8). Embora Smith reconheça que O Projeto tenha recebido conteúdo “revolucionário e socialmente utópico” da “tradição marxista”, como também “sentido terapêutico   […] da tradição freudiana”, de não poucas consequências em termos de influência, esse autor acredita que O Projeto consiste, essencialmente, em simples individualismo ocidental, no contexto maior da tradição iluminista (p. 9). Esse é um ponto de vista, ou seja, O Projeto como o liberalismo levado ao extremo da sua falta de lógica. Eu discordo dessa perspectiva, e Smith volta a tratar da origem do Projeto no Capítulo 4, assim falaremos disso mais adiante.2

O autor não pertence, certamente, à Direita dissidente, e embora ele pareça se enquadrar em algumas visões sociais tradicionais, ele mesmo diz não ser conservador. Eu o situaria, talvez, como um centrista cristão no espectro ideológico. Embora altamente crítico quanto ao Projeto, Smith tem sentimentos ambíguos em relação aos seus fins. Ele decerto censure mais os meios do que os fins. A agenda atual do Projeto é simplesmente uma ponte longe demais. Pior ainda, O Projeto sequestrou a sociologia, “a rainha das ciências sociais”, fazendo dela sua ancila, com o que comprometeu a imparcialidade científica da disciplina e a integridade acadêmica.3

Smith caracteriza O Projeto como “transformador”, “radical,” até “revolucionário”, mas não como remediador ou reformista. Isso parece contraditar a afirmação dele acima referida sobre a inserção do Projeto em tradições anteriores. O Projeto é elitista porque “afinal, as pessoas comuns não são confiáveis (já que não pegam o ‘espírito da coisa’)”. (p. 13).

Um dos objetivos do Projeto é a redefinição da família. Meias-medidas, a exemplo da união civil para casais homossexuais, são inaceitáveis. Só o casamento entre pessoas do mesmo sexo pode “assegurar o devido reconhecimento moral e social oficialmente formulado, com a aprovação, a validação, a apreciação de que as pessoas precisam para que se sintam bem consigo mesmas” (p. 14). O Projeto tem por certo que identidades herdadas e adscritivas tais como a raça e o sexo podem ser reconstruídas conforme se queira. Daí que Rachel Dolezal possa ser uma ativista negra; e a senadora Elizabeth Warren, uma princesa xeroqui — bem, pelo menos por um tempinho. De qualquer forma, esse é um objetivo que os “religiosos” continuam a perseguir.

Quão hegemônico é O Projeto na sociologia acadêmica? Smith estima o número de fiéis dogmatizados entre 30% e 40% dos sociólogos. Entre 50% e 60% seriam aderentes, mas não tão zelosos de sua fé. Esses números indicam que, no máximo, 20% podem não seguir o credo, mas se comportam como Maria vai com as outras para levar algum tipo de vantagem.

No Capítulo 2, de longe o mais extenso, Smith aponta as evidências de que O Projeto apoderou-se da sociologia. Ele começa examinando os títulos numa exposição de livros durante uma conferência anual da Associação Americana de Sociologia (sigla inglesa: ASA). Alguns desses títulos: The price of paradise: the cost of inequality and a vision for a more equitable America; Breaking women: gender, race and the new politics of imprisonment; The hip-hop generation fights back: youth activism and post-civil rights politics; e Punished: policing the lives of black and latino boys (p. 32). Muitos livros defendiam explicitamente O Projeto; nenhum deles opunha-se explicitamente.

A seguir o autor examina os livros resenhados numa edição recente da Contemporary Sociology, a revista oficial da ASA. Poucos livros são selecionados para resenha, assim a ASA considera os escolhidos como especialmente importantes. Entre os títulos, constavam estes dois: Equality with a vengeance: men’s rights groups, battered women, and the antifeminist backlash; e Creating a new racial order: how immigration, multiracialism, genomics, and the young can remake race in America (p. 38).

Além de livros e resenhas de livros, O Projeto abrange ainda artigos em periódicos. Smith nota que os artigos podem parecer “mais científicos” do que as monografias supracitadas, mas muitos deles também são lanças e escudos da causa sagrada. O autor examina ainda trabalhos recentes saídos na American Sociology Review (ASR). Assim como a Contemporary Sociology, a ASR é publicação oficial da ASA, sendo geralmente considerada “a melhor revista americana de sociologia” (p. 47). Qualquer área de pesquisa é um campo aberto para o avanço da Cruzada. O trabalho de Robert Putman, por exemplo, sofre campanha de descrédito. Tudo porque ele indica a “perda de capital social” e o crescente isolamento social nos Estados Unidos. Alegam mil e uma questiúnculas metodológicas, “denunciando” supostas falhas que vão da coleta dos dados à sua interpretação. Alguns dos alvos visados estudam “o colapso das famílias nucleares estáveis” e “a perda de linguagem cultural compartida de comunidade e responsabilidade” (p. 48). Porquanto estas sejam preocupações associadas aos conservadores, e em virtude de O Projeto “estar implicado nas mudanças socioculturais que podem ser criticadas por seu caráter socialmente destrutivo”, os Projetistas tentam fazer crer que “todas as mudanças socioculturais operadas desde os anos sessentas — as quais críticos situam na origem do declínio do capital social, da conectividade e da comunidade — não representam, na realidade, nenhum tipo de problema” (p. 49).

Continuando, Smith observa que O Projeto envolve não apenas “academismo”, mas também ativismo. “A ASA tem organizado uma série de programas de conferências para ativistas nos seus encontros nacionais” com a finalidade de promover mudanças sociais e inclusão como forma de combate à opressão e à desigualdade. (p. 60). “The ASA declara sem meias-palavras que a sociologia americana não se ocupa apenas com a condução e a divulgação de trabalhos acadêmicos, mas também com a indução da mudança social por meio do ativismo (p. 62).

Outro conjunto de evidências é apontado nos livros didáticos de sociologia. Geralmente, os cursos de introdução à sociologia integram o currículo básico exigido nos cursos universitários de graduação. Assim, a cada semestre, milhares de estudantes de 18 a 21 anos, portanto muito sugestionáveis, seguem esses cursos. Eu não me lembro muito do curso de introdução à sociologia que fiz há muitos anos, mas hoje esses cursos mais se parecem como classes de doutrinação para a formação de marxistas culturais. De acordo com Smith, num típico curso de sociologia, os estudantes são “despojados da visão de senso comum sobre a liberdade e a responsabilidade […], são ‘habilitados’ para a tarefa de se juntar a outros para mudar a sociedade […] e são desconvencidos do valor do modo de vida de sua cultura, o que pavimenta o caminho para um tolerante multiculturalismo” (p. 73). O capítulo sobre “Sexo e sexualidade” de um livro de sociologia bastante usado inclui tópicos como “homofobia, teoria queer, transas eventuais (suas vantagens e desvantagens)” e sexo extramarital (em tempos de mais “repressão”, chamado de adultério) (p. 84).

Deixando os livros-textos, Smith passa a tratar de outro conjunto de provas que ele chamou de “histórias reveladoras”. Aqui ele escreve que a obtenção de estabilidade no magistério superior pode depender da “correta perspectiva” do candidato sobre questões sociais e políticas. Cabe mencionar que a estabilidade é o último obstáculo para se chegar ao cargo de professor universitário em tempo integral. Primeiramente um estudante deve ser admitido num programa de doutorado, deve escrever e ter aprovada a sua tese sob a orientação (vigilância, na verdade) de um titular, para então ser contratado como professor, depois do que ele poderá conseguir jornada de trabalho de tempo integral. Cada uma dessas fases serve de grade epistemológica para impedir o ingresso de acadêmicos dissidentes nas universidades. Trata-se de um sistema fechado com pouca ou nenhuma forma de responsabilização externa. Ao longo dos anos esse esquema conduziu à hegemonia esquerdista nas profissões liberais e ciências sociais.

Desse consenso institucional excludente [no original: groupthink] resultam pesquisas fraudulentas que só são descobertas depois de anos; e, depois de décadas, refutadas. O melhor (ou pior) exemplo disso é o “estudo” de Lenore Weitzman sobre as consequências do divórcio. Weitzman, judia e feminista radical, publicou trabalho “concluindo” que, após o divórcio, o nível de vida das mulheres cai 73%, e o dos homens sobe 42%.4 “A pesquisa dela mereceu premiação da ASA em 1986 por ‘importante contribuição à investigação acadêmica’. Foi resenhada em pelo menos 22 revistas de ciência social e 11 revistas jurídicas. As revelações de Weitzman foram citadas em mais de 170 artigos de revistas e jornais, 348 artigos de ciências sociais, 250 artigos jurídicos, 24 causas de cortes estaduais e numa decisão da Suprema Corte. (p. 100).

Pelo menos um sociólogo, Richard Peterson, permaneceu altamente céptico em relação às “descobertas” de Weitzman. Ele pediu os dados da pesquisa para revisão. Weitzman negou-se a atender à solicitação, tergiversando. Depois de resistir por 10 anos, Weitzman finalmente cedeu e cedeu os dados, ao ser advertida pela “National Science Foundation, financiadora do trabalho, de que não receberia mais recursos se não o fizesse” (p. 98). O que Peterson constatou foi um emaranhado de muitas incorreções, inconsistências e dados omitidos. Então ele refez todo o trabalho como melhor podia. Os resultados a que chegou: uma queda de 27% no padrão de vida da mulher e uma elevação de apenas 10% no padrão de vida do homem. Nesse meio tempo, outra investigação, maior e realizada em melhores condições, revelaria que tanto os homens quanto as mulheres saíam mais pobres de um divórcio.

Smith destaca que a pesquisa sobre o divórcio que ele contestou não esteve restrita ao debate acadêmico. Ela teve consequências no mundo real. As “informações” de Weitzman subsidiaram cortes e legislaturas na reformulação do marco legal do divórcio e acarretaram perdas financeiras sérias para os homens. “No final das contas, os enormes erros reconhecidos no trabalho de Weitzman — os quais motivaram grandes mudanças legais e culturais quanto ao divórcio, inclusive algumas que afetaram profunda e negativamente os homens divorciados — não prejudicaram a carreira dela. Atualmente ela integra o programa Clarence J. Robinson da George Mason University, Fairfax, Virgínia, como professora de Sociologia e Direito” (p. 101). E agora o remate de toda essa encenação: 20 anos depois de ter caído em descrédito, “o desarrazoado de Weitzman continua a ser citado ainda hoje no mais vendido livro de introdução à sociologia do mercado” (p. 104).

O escândalo de Weitzman é exemplo frisante do viés confirmatório e dos dois pesos e duas medidas para a avaliação da pesquisa nas ciências sociais. Se acontece, como costuma acontecer, de a pesquisa chegar às conclusões “corretas” — isto é, aquelas de acordo com a agenda do Projeto, como foi o caso assustador do que Weitzman “descobriu” sobre o divórcio — então a investigação é aceita de olhos fechados. Por outro lado, se os resultados da pesquisa estiverem em desacordo com O Projeto, isso indicará erros de concepção e análise no trabalho. Neste caso, nem todas as evidências do mundo bastarão para livrar qualquer trabalho de resultados indesejados da condenação como “pseudociência”, termo de que os esquerdistas gostam muito, aliás. Mas, na realidade, pseudociência é a deles, que rasgam seda para os “irmãos” do Projeto pelo testemunho de sua “fé” acadêmica, enquanto atacam com as críticas mais extremas os trabalhos dos “hereges” que lhes profanam a “divindade”.

No Capítulo 3, Smith trata desse aspecto religioso, mostrando a forte semelhança entre as práticas dos sociólogos acadêmicos e aquelas do que seria uma comunidade mística de espíritos iluminados. Primeiramente, aqueles iniciados chegados à pós-graduação, portanto já adiantados no palmilhar da senda luminosa, são aí submetidos a “longo e rigoroso processo de ensino-aprendizagem, no qual assimilam o conhecimento da verdade última sobre a realidade do mundo. Então, da posição elevada que alcançam pela contemplação da Essência superior, os iniciados chegam a transcender a inteligência desprezível dos homens e mulheres profanos” (p. 115). Uma vez integrados plenamente ao corpo eclesiástico, os pastores buscam novas ovelhas entre os mais promissores catecúmenos de seu redil, aqueles que mais claramente obedecem ao Chamado e se mostram capazes de melhor servir aos desígnios sagrados do Projeto (p. 116). Finalmente, os eleitos devem estar “sempre alerta e vigilantes contra os lobos em pele de ovelha, os hereges, os infiéis, os traidores que podem estar à espreita dentro da própria congregação e levar o Projeto à perdição”. (p. 118).

O autor volta a falar das origens do Projeto no Capítulo 4, e aqui eu discordo da análise de Smith. Como mencionado na discussão do Capítulo 1, o autor vê O Projeto como a última fase do desenvolvimento do liberalismo ocidental e do individualismo. Eu vejo O Projeto mais como descontinuidade, não apenas em relação à tradição ocidental em geral, como também, especificamente, em relação aos homens que criaram a sociologia enquanto disciplina acadêmica no fim do século XIX e no começo do século XX.

Em primeiro lugar, deve ser considerado que o liberalismo e o Iluminismo foram produtos da mente de homens brancos ocidentais; bem ao contrário, O Projeto é explicitamente antiocidental, antibranco e antimasculino. Em segundo lugar, não obstante tenha o Iluminismo celebrado o indivíduo, ele o fez de forma restrita. Neste ponto cumpre examinar os efeitos políticos e sociais do pensamento iluminista mais do que o Iluminismo como movimento puramente filosófico. Na Europa Ocidental e na América do Norte, o Iluminismo pode ser representado pelo republicanismo dos Patriarcas da Independência Americana e seus precursores. Esses homens frequentemente escreviam e falavam sobre a necessidade da virtude e do autocontrole, sobre a riqueza coletiva, sobre o bem comum. Na Europa Central e na Europa Oriental, o Iluminismo foi incorporado pelos Déspotas Esclarecidos, os monarcas absolutistas dispostos a reformar suas sociedades de cima para baixo. Ambas as variantes eram bem diferentes, talvez a própria antítese do delicado vale-tudo em que todo o mundo pode fazer o que bem entende, conforme preconiza o  individualismo do Projeto. Em terceiro lugar, o Iluminismo e a Revolução Científica desenvolveram-se pári-pássu. Um dos topos de Smith é a perda da objetividade científica na sociologia. O Projeto tem base na fé, trata-se de uma religião secular. Seus alicerces não se constituem cientificamente. Nele opera-se sofisticada manipulação das ciências sociais e biológicas para que sirvam a sua agenda. A Direita Dissidente tem base mais firme na ciência do que a esquerda contemporânea.

O autor tece breves considerações sobre Lester Ward, Edward Ross e outros dos “primeiros sociólogos americanos que escreveram livros didáticos” (p. 122). O que Smith não quis reconhecer foi a profunda influência da teoria evolucionária, do racialismo e da eugenia sobre as nascentes ciências sociais da época. 5 Veja-se, por exemplo, Lester Ward, o primeiro nome na lista de Smith. Ward criou o Departamento de Sociologia da Brown University e foi o primeiro presidente da ASA. Nascido em Illinois de família provinda da Nova Inglaterra, ele lutou na Guerra de Secessão pelo exército da União, chegando a ser gravemente ferido. Não obstante, Ward era dotado de forte consciência racial. Ele “estabeleceu uma distinção entre as raças ‘históricas’ ou ‘mais bem dotadas’ originárias da Europa e outros grandes grupos raciais de negros, vermelhos e amarelos […] Ele falou abertamente de raças ‘superiores’, ‘inferiores’ e ‘decadentes’”. 6  E apesar de seu contexto cultural, Ward mostrava sincera preocupação com a segurança das mulheres brancas do Sul.

As raças inferiores, argumentava Ward, tinham extraordinário apetite sexual por membros das raças superiores, porque obscura e instintivamente nisso percebiam via para o melhoramento da sua própria raça. Um negro que viola a mulher branca, declarou Ward, é compelido por algo mais do que a simples luxúria. “Esta é a voz inaudita mas imperiosa da natureza a comandá-lo, mesmo sob o risco da lei de linchamento”, disse Ward, “para erguer sua raça a nível um pouco mais alto.” Por outro lado, a fúria da comunidade branca onde tal ato tem lugar é da mesma forma natural. 7

Assim pensava o primeiro presidente da Associação Americana de Sociologia.

No passado, quando o estabilismo era confrontado com o racialismo dos fundadores da sociologia, a exemplo de Ward, a reação era tentar minimizar ou desconsiderar tais convicções como meras prevenções ultrapassadas de que já se havia defecado a sociedade, da forma como também se expurgara das visões errôneas no campo da medicina ou astronomia. No ambiente mais polarizado de hoje, tais convicções são vistas como prova de um alastrante racismo, ao mesmo tempo individual e institucional, antigo e novo, de que se deve cortar os ramos e arrancar as raízes.  A consciência racial branca e a preferência pela raça branca eram, obviamente, parte do senso comum no passado. A experiência de Ward como militar da União não enfraqueceu as preocupações dele com o bem-estar das mulheres brancas do Sul. O sangue fala mais alto do que diferenças regionais. É evidente que ele refletiu profundamente sobre a questão e analisou-a de perspectiva evolucionária.

Outro nome na lista de Smith, Edward A. Ross explicitou de forma ainda mais precisa suas visões sobre a raça. Homem alto e forte, defensor de hábitos rigorosos e de uma vida enérgica, amigo de Teddy Roosevelt, Ross foi quem cunhou a expressão “suicídio racial”, depois empregada por Roosevelt e Madison Grant. Ross concluiu o seu curso de doutorado na Universidade Johns Hopkins e a seguir participou da criação do Departamento de Sociologia da Universidade de Wisconsin, onde lecionaria por 31 anos. Ele também presidiu a ASA como o seu terceiro presidente. Ross não via utilidade em dar direitos eleitorais aos negros: “O voto não faz o negão virar Platão”.8 Ele também lutou, com firmeza, pela limitação da imigração. Ele acreditava que “O dinheiro judaico […] estava financiando a campanha pela imigração ilimitada, pretensamente em benefício de todos os imigrantes” e que, na verdade, “Uma só raça estava por trás dessa campanha, agindo pelo próprio interesse”. Conforme Ross, “Os judeus responderam ao benefício do asilo americano com tremendo malefício: eles minaram o controle dos Estados Unidos sobre o seu próprio destino racial”.9 Ross escreveu um dos primeiros livros de introdução à sociologia, Foundations of Sociology (1905). Algumas partes desse livro poderiam ter sido escritas por Madison Grant. Deve-se enfatizar que homens assim como Ward, Ross e mesmo Grant eram progressistas que combatiam o interesse das corporações e apoiavam os trabalhadores, aos quais mostraram-se solidários. Eles eram verdadeiramente progressistas, e o estudo das ciências sociais conduziu-os para o realismo racial. Eu não posso entender por que escritores da Direita chamam hoje os seus oponentes de “progressistas”.

As evidências apontadas acima indicam o revertério havido na sociologia durante o século XX. O Projeto é, de fato, revolucionário. Foi dado um giro de 180 graus nas questões sociais, especialmente quanto a raça e sexo. Embora Smith reconheça a influência do marxismo e do feminismo na sociologia contemporânea, eu não acredito que ele tenha plena consciência de quão graves foram as mudanças operadas. O Projeto adotou elementos da teoria trotskista da revolução permanente para a mudança social, a par de princípios da contínua Revolução Cultural maoísta, as quais não têm prazo de encerramento.

Smith termina o Capítulo 4 dizendo que o sequestro da sociologia pelo Projeto não era inevitável. De novo, as evidências acima confirmam essa conclusão. As ciências sociais como um todo poderiam ter continuado na via do naturalismo ao longo do século XX, tendo por referência as ciências da vida, especialmente a biologia evolucionária. Existe certa tendência natural de leitura da história num sentido reverso, ou seja, da frente para trás, por onde eventos ou processos de décadas ou séculos passados são considerados teleologicamente, assim como se tivessem existido como preparação para o irresistível advento das condições do presente. Uma visão mais equilibrada do passado percebe caminhos abandonados nas encruzilhadas da história que poderiam ter sido os escolhidos.

O Capítulo 5 intitula-se “Consequences”, mas eu acho que um título melhor seria “Os sete pecados capitais da Sociologia”. Estes pecados são os seguintes:

  1. 1. Desonestidade: “A disciplina tem sido desonesta consigo mesma, com os estudantes e seus pais, com os administradores e doadores das universidades e com os contribuintes americanos”. (p.134). Com muita frequência a sociologia torna-se propaganda disfarçada de ciência social.
  2. 2. Hipocrisia: “Apesar de disciplina muito obsedada pela mazela americana da desigualdade social, a sociologia mostra-se elitista, estruturando-se em termos de estratificação segundo hierarquias de status e poder que operam processos sociais excludentes para a proteção de privilégios, tanto quanto qualquer outra instituição na sociedade”. (p. 136).
  3. 3. Proselitismo gramscista: transformada em veículo institucional de propaganda política, o aparato acadêmico-editorial da sociologia tem servido à doutrinação “progressista” em favor de toda sorte de inversão política e social nas guerras culturais pela “revolução”, agora assimilada a uma religião que promete o paraíso a toda minoria descontente. A subversão minoritária volta-se não só contra a sociedade, mas também contra a própria natureza.

Os quatro pecados restantes estão estreitamente relacionados:

  1. 4. Padronização pensamental: toda ideia dissidente é proscrita. A seleção por conformidade e o isolamento e expurgo de estudantes e professores que não pensam da forma politicamente correta são processos conducentes à formação de sociólogos alienados, perdidos na confusão que fazem entre fatos sociais e artigos de uma fé intolerante, embora cultuada em nome da tolerância.
  2. 5. Miopia social: a incapacidade para pensar “fora da caixa”. Tudo o que a religião acadêmica do esquerdismo não pode enquadrar é visto como abominação. Toda resistência política ou cultural ou simplesmente comportamento autônomo de oposição sofre estigmatização como preconceitos diversos: sociais, raciais, sexuais… Estes “males” recebem o castigo expiatório num gradiente que vai do simples ostracismo ao extremo da prisão e até mesmo da pena de morte, passando por censura e multas, no que se configura como processo repressivo dinamizado pelos interesses da burocracia da indústria judiciária a serviço do capital transnacional e outras forças globalistas.

 

  1. Corrupção da avaliação interpares: caso paradigmático deste sexto pecado foi o escândalo de que tratamos, o qual teve Weitzman como impenitente protagonista. “Asinus asinum fricat”, diriam os latinos.
  2. 7. Incapacidade de autocrítica: este sétimo pecado decorre do que parece ser a óbvia correção da teologia do Projeto aos olhos de seus crentes. Estes, em sua cegueira sectária, “não percebem o dogmatismo religioso do Projeto, que assim passa por ser a realidade autoevidente”. (p. 176).

O Capítulo 7 inicia com a interrogação “What Is Sociology Good For?” [“Para que serve a Sociologia?”]. Nota-se que Smith sentiu embaraços na resposta. Às vezes, o autor manifesta que “a sociologia, como uma empresa, deveria ser fechada, simplesmente”, ou que devesse, “talvez, ser enxugada” (p. 184). A Sociologia pode ser muito boa para a descrição das características sociais, os problemas começam quando ideologia e política se misturam “sob o disfarce de teoria e interpretação”, distorcendo a pesquisa sociológica. A solução evidente consiste em substituir a perversa e destrutiva ideologia do Projeto por orientação mais saudável e objetiva que corresponda às necessidades da sociedade.

O Capítulo 8 finaliza o texto recapitulando sumariamente os principais pontos. Há um apêndice onde o autor descreve brevemente suas crenças pessoais. No começo do livro, Smith havia dito que era contrário ao Projeto Sagrado – o qual eu identifico com a Esquerda – mas que não era conservador, que não chegava a ser da verdadeira Direita. Sua própria ideologia – o Personalismo Realista Crítico – valoriza “mais a pessoa do que o indivíduo, defende a solidariedade comunitária contra a atomização” (p. 200). Esta curta descrição não deixa claro o entendimento que tem o autor do conceito de comunidade. O Personalismo Realista Crítico é minudenciado em outro trabalho de Smith: To Flourish or Destruct: A Personalist Theory of Human Goods, Motivations, and Evil (2015).

O que então, afinal, podemos aprender com o livro? Eu diria, antes de tudo, que estudantes e professores de sociologia devem ler esse livro, assim como qualquer um simplesmente interessado nessa disciplina ou que pretenda ser aluno ou professor da matéria. Esta rápida resenha, é óbvio, não pode expor de forma abrangente as teses de Smith, nem questionar todas as alegações dele. Além disso, meus pontos de vista e os de meus leitores podem não coincidir. De qualquer forma, cabe indicar aos leigos as principais questões discutidas, o que faço a seguir:

(1) A Esquerda contemporânea é uma religião secular. Esta é, claramente, a principal mensagem do livro, e não há nada de novo nisso. Analistas de um século atrás já haviam comparado o Partido Bolchevista a uma ordem religiosa. As religiões, seculares ou sectárias, pautam-se pela fé, de sorte que a razão ou a evidência empírica não pesa sobre a consciência dos crentes mais apaixonados. Eles não querem o diálogo, eles não aceitam a contradição. Os justiçadores sociais de hoje são tão facciosos quanto aqueles das guerras religiosas do passado.

(2) O livro mostra que aqueles contrários à tomada da sociologia pelo Projeto omitiram-se diante do assalto ou, no máximo, ofereceram resistência passiva. O mesmo se passou na mais ampla arena social e política. A ciência e a razão não bastam. Alguma coisa espiritual está faltando. A Direita precisa de um “intenso engajamento emocional” numa causa comum e de uma “subordinação a propósito coletivo mais alto”, que Smith observa na Esquerda. Os conservadores não têm esse espírito e nunca o terão. É óbvio que, se a Esquerda não for confrontada por contraforça superior, ela irá prevalecer.

(3) Os departamentos acadêmicos são sistemas fechados a par dos quais as guildas medievais deixariam os seus mestres envergonhados. Na contratação e promoção de professores universitários, ou no recrutamento de estudantes para cursos de pós-graduação, prevalecem critérios de base ideológica. Esses departamentos não se sujeitam a nenhuma forma de supervisão ou responsabilidade.

Uma observação final: livros de crítica à academia como os de Christian Smith vão sendo editados cada vez mais e em maior número, indício de que mais gente possa estar tomando consciência do perversivo efeito da Esquerda no labor acadêmico ocidental. Não obstante, entre todas as instituições da sociedade, a educação superior dá mostra de ser, pelas razões vistas acima, a de mais difícil reestruturação.

________________________

(1) O sociólogo Emile Durkheim, judeu francês, escreveu As formas elementares da vida religiosa (1912), obra na qual define o conceito de “Sagrado” de que se valeu Christian Smith.

(2) Eu concordo com o acadêmico canadense dissidente Ricardo Duchesne em que a culpa pelo marxismo cultural não é do Iluminismo. Cf. CANLORBE, Gregoire. A conversation with Ricardo Duchesne. The Occidental Quarterly, v. 19, n. 2, p. 32-35. 2019.

(3) Numa nota de rodapé na página 9, Smith cita aprovativamente Gordon Marshall: “A Sociologia é, algumas vezes,     vista (ao menos pelos sociólogos) como a rainha das ciências sociais, concertando e ampliando o conhecimento e as perspectivas de todas as (conceitualmente mais restritas) ciências afins”.

(4) WEITZMAN, Lenore. The divorce revolution: the unexpected social and economic consequences for women and children in America. New York: The Free Press, 1985.

(5) Cf. LEONARD, Thomas C. Illiberal reformers: race, eugenics, and american economics in the progressive era. Princeton, NJ: Princeton University Press, 2016. Reviewed in: The Occidental Quarterly, v. 16, n.2, p.105-113. 2016.

(6) GOSSETT, Thomas F. Race: the history of an idea in America. Dallas TX: Southern Methodist University Press, 1963. p. 164.

(7) Ibid, 166.

(8) Ross citado em Leonard, Illiberal reformers, p. 50.

(9) Ibid. 158.

Fonte: The Occidental Observer. Autor: Nelson Rosit. Títulos originais: Sociology as Religion, Part 1; e Sociology as Religion, Part 2. Data de publicação: 31 de outubro de 2019 (Part 1) e 1.º de novembro de 2019 (Part 2). Versão brasilesa: Chauke Stephan Filho.

O nacionalismo branco e os seus inimigos esquerdistas

A retrógrada esquerda venceu as guerras culturais nos Estados Unidos. Não há dúvida quanto a isso. Até mesmo a “direita” da mídia, do estabilismo (não confundir com a direita clássica ou tradicionalista) já foi cooptada pela esquerda. Juntas, a esquerda e essa “direita” formam o estabilismo americano de esquerda. Apesar de sua extravasante influência sobre a sociedade e a cultura americanas, o estabilismo não se larga do nacionalismo branco, não o considera cacareco velho como um cilindro fonográfico ou gramofone. Em vez disso, a esquerda conserva o nacionalismo branco enquanto objeto de seu ódio intenso e incendiário.

Mas será que haveria algum mérito na reação do estabilismo ante o nacionalismo branco? Pesquisas focando a atitude racial da população branca dão conta de que os nacionalistas brancos não passam de 5% da população americana; eles podem até ser menos do que 1%. Eles não controlam nenhuma grande corporação ou organização política. Odiados e perseguidos pelo estabelecimento, não surpreende que aos nacionalistas brancos falte maior domínio econômico e político.

Dada a pretensão que tem o estabilismo americano de ignorar os direitos inscritos na Primeira Emenda, os nacionalistas brancos encontram-se sob acosso, tendo contra si uma combinação de medidas legais e econômicas. O tratamento dispensado aos “expressores do ódio” inclui demissão do emprego, bloqueio de acesso à mundirrede, censura à literatura nacionalista branca y otras cositas más. Em contraste, seus oponentes antifas e belemistas [BLM] não sofrem nenhuma restrição da parte do Estado. Eles são bem mais organizados, bem mais patrocinados e bem mais capazes de mobilizar as massas de seus seguidores. O Antifas e o BLM podem despedaçar monumentos históricos dos Estados Unidos, podem transformar seis quadras no centro de Seattle numa “Zona Autônoma” fechada à polícia, na maior impunidade. Será que se dissidentes raciais tivessem tomado o centro de Seattle, fazendo dele um enclave branco fechado à polícia, eles também seriam tratados com luvas de pelica? A hipocrisia dá nojo, mas não surpreende, vinda de onde veio.

Uma ínfima percentagem de brancos chama a si toda a atenção de todo o estabilismo esquerdista. Como é que pode? Quase diariamente a mídia propaga de forma exagerada, ou até mesmo completamente falsa, histórias sobre terrorismo nacionalista branco e repentes de violência branca. A intensa preocupação dos esquerdistas com o nacionalismo branco parece irracional, mas de ponto de vista estratégico faz sentido.

Sabe-se que os dissidentes raciais são as pessoas mais odiadas nos Estados Unidos. Afinal, o nacionalismo branco e o marxismo cultural são ideologias concorrentes; entretanto, no mercado das ideias, as pessoas dão de barato a crença de que nem todas as ideias nascem iguais. O argumento do nacionalismo branco contra a diversidade — ao contrário da alegação do esquerdismo pela diversidade, é inatacável. Desde a ascensão do marxismo cultural na política americana, nunca os esquerdistas foram capazes de elaborar argumento procedente em favor da diversidade.

Os esquerdistas execram e temem a consciência racial branca, por isso é que eles quase nunca debatem com dissidentes raciais na televisão ou na imprensa, senão da forma mais superficial. Num estado de subconsciência, os esquerdistas têm medo do nacionalismo branco, porque acreditam que ele levaria muitos brancos a abandonar o sacralizado projeto multicultural, tão turibulado pela esquerda. Vemos claramente que não se nos depara nenhuma ideologia política racional, senão teocracia secular guiada pela mística de um credo igualitário. Nas “igrejas” do esquerdismo, a fé toma o lugar da razão enquanto árbitro supremo da verdade. Este é o calcanhar de Aquiles do estabilismo esquerdista e deve ser explorado pelos dissidentes raciais, com o que conseguiriam muitas vantagens.

As evidências depõem contra a diversidade e mostram por que o estabilismo é patologicamente leucofóbico. Os nacionalistas brancos já denunciaram a imigração massiva de não brancos como a religião de facto das elites esquerdistas. Os defensores brancos deixaram patente que a imigração tem por efeito a redução de salários, a queda da taxa de fertilidade e a elevação do custo da habitação. O mesmo é dizer que a imigração alógena resulta no desterro racial do branco. A cada ano, mais as cidades americanas vão se parecendo com aquelas da África e do México, com alguns bolsões asiáticos. A imigração massiva, especialmente daquele tipo que tem desgraçado os Estados Unidos desde 1965, é preço terrível a pagar pela comida estrangeira, ou por qualquer outra coisa trazida pela diversidade, supostamente para o nosso “enriquecimento cultural”.

Para além dos estereótipos e chavões com que são louvadas as virtudes da diversidade, o estabilismo não tem nenhuma resposta séria a dar ao problema racial, à questão da desigualdade racial, inclusive quanto à inteligência. A apologia esquerdista só oferece razões de fé em favor da igualdade e dos supostos benefícios da imigração do Terceiro Mundo. “Diversidade é força!”, a mais popular dessas razões, é lema místico que não difere do orwelliano “Liberdade é escravidão!” ou “Ignorância é força!”. Comparado com a série de platitudes vazias do multiculturalismo, o argumento nacionalista branco em defesa da autodeterminação branca parece revestido de ferro. Por tal razão, o estabilismo determinou a proscrição do nacionalismo branco.

Como George Orwell (alegadamente) disse: “Falar a verdade quando prevalece a fraude é ato revolucionário”.

As lições de Orwell no 1984

O ódio e a perseguição esquerdistas ao nacionalismo branco cumpre a mesma função que o evento dos “Dois minutos de ódio”, narrado no 1984, de Orwell. [N. do trad.: no episódio citado, a multidão era reunida numa praça para vaiar e xingar o “inimigo”, cuja imagem aparecia numa grande tela.] Emmanuel Goldstein, que defectou da direção do partido para abraçar a organização contrarrevolucionária “Fraternidade”, é a figura que inspira os “Dois minutos de ódio”. Sempre que a imagem de Goldstein era mostrada nos monitores omnipresentes na Oceania, a multidão parava tudo para externar o seu ódio coletivo contra o inimigo ideológico jurado do Grande Irmão.

O sentido dos Dois minutos de ódio consiste em tomar a direção da mente das pessoas para desviar sua atenção do partido e suas falhas, dirigindo a raiva de sua insatisfação para algum único alvo exterior, de sorte que o sentimento negativo deixa de ter por objeto o governo para incidir sobre os inimigos do governo. A demonização a que o partido submete Goldstein é advertência dirigida à população da Oceania. Aqueles que desafiam as determinações do partido serão expulsos de seus quadros e, na novilíngua orwelliana, despersonalizados. O ódio que os esquerdistas sentem dos dissidentes raciais atende a objetivo utilitário bastante similar. Ele impõe a conformidade ideológica, significando ainda advertência quanto aos perigos reservados àqueles que desrespeitam o estado de coisas vigente. O risco de se ver relegado à margem da sociedade, a possibilidade de sua transformação em párias despojados de meios de vida, isso é perspectiva aterradora para o proletariado.

A versão dos Dois minutos de ódio do progressismo contribui para maior unidade entre os esquerdistas e reforça seu devotamento aos ideais de esquerda, assegurando a continuidade do serviço que prestam para a manutenção do status quo. Dessa forma, os esquerdistas tentam apassivar os mais ingênuos entre os brancos, fazendo-os acreditar que neonazistas, fascistas e quejandos são a causa verdadeira de seus problemas, assim livrando de culpa as elites, que importam milhões de não brancos, enquanto exportam milhões dos mais bem remunerados empregos industriais para o Terceiro Mundo.

Enquanto objeto de ódio, o nacionalismo branco mostra-se bode expiatório bastante conveniente, a exemplo da personagem Goldstein no livro de Orwell. Não é difícil entender o porquê disso. Ocorre que o nacionalismo branco resiste como o último bastião da razão e do bom senso em meio ao oceano de irracionalidade e obscurantismo do progressismo. Tudo o que representa a dissidência racial é anátema para o progressismo. Os dissidentes recusam-se a desaparecer juntamente com a sua raça pelos “pecados” da escravidão africana, do “genocídio” ameríndio e do colonialismo europeu, por isso não aceitam o papel de vítima sacrificial a ser sacrificada como um Cristo, destino que lhes tenta impor o estabilismo.

A forte correlação entre a democracia totalitária e a visão distópica de Orwell é flagrante. Decerto Orwell terá sido quem melhor entendeu a psicologia do totalitarismo de esquerda. Isso pode explicar o porquê da confirmação de muito do que ele previra, ao contrário do que se passou com as previsões relativamente mais benignas de seu contemporâneo Aldous Huxley.

O nigriesquerdo contra o branco: polarização atitudinal?

Na visão maniqueísta do estabilismo, o esquerdismo representa força do bem; e o nacionalismo branco, uma força do mal. Por meio da condenação da consciência racial branca, o esquerdista, motivado em parte pelo ressentimento, denigre as virtudes características das sociedades indo-arianas — o orgulho, a força, o autodomínio, o individualismo, a objetividade — como males morais, ao tempo que exalta as virtudes da moralidade judaico-cristã do escravo — a humildade, a fraqueza, a igualdade — elevando-as a posição de supremacia. Daí o conceito nietzschiano de transvaloração de todos os valores, com o qual o filósofo reagiu à grande inversão que fez do bem o mal; e do mal, o bem.

A estereotipagem negativa, irracional dos dissidentes raciais por parte do estabilismo dimana de seu maniqueísmo e “justifica” o ódio devotado ao nacionalismo branco, não apenas entre esquerdistas, mas também entre o público em geral. Igualado o estabilismo ao bem e o nacionalismo branco ao mal, chega-se à injusta caricatura do dissidente racial como um casca-grossa do mato desdentado ou um brutamontes neonazista, propenso à violência criminosa, como os estereótipos andantes e falantes vistos no filme American History X [no Brasil: A outra história americana]. A intenção por trás dessa estereotipagem irracional tão prezada na esquerda é desumanizar e reduzir a uma insignificância patética o que não pode ser refutado mediante argumentação racional. Com efeito, a mídia sob controle judeu e as organizações de direitos civis, entre as quais hollywood e a SPLC [sigla inglesa: Southern Poverty Law Center: trata-se de organização supremacista judaica antibranca] continuam irracionalmente a estereotipar a dissidência racial como movimento de neonazistas e klanistas [membros da Ku Klux Klan].

Essa demonização dos dissidentes raciais brancos reflete ânimo ainda mais profundamente adverso à direita tradicional. Os dissidentes raciais ameaçam o projeto multicultural do estabilismo em suas fundações, se não literalmente, ao menos ideologicamente. No mundo do esquerdismo, a transformação etnográfica do país [EE.UU.] é exigência inegociável; os esquerdistas não podem se alijar dela sem comprometer todo o seu sistema de crenças. Enquanto ideologia capaz de tudo destruir, carregada de ódio racial do branco psicótico contra si mesmo, o esquerdismo perderia sua raison d’être, se dele fosse subtraído o objetivo de minorizar, substituir, alterizar e finalmente suprimir a raça branca, forma de genocídio vista como solução final para o “problema” da branquidão. O ódio racial de si mesmo é o que leva o esquerdista branco a buscar na imigração massiva de não brancos a satisfação de necessidades próprias, o mesmo é dizer, mais precisamente, que o esquerdista branco depende psicologicamente da imigração alógena para seu bem-estar geral, como se a desterritorialização de si mesmo fosse alguma droga muito viciante, muito poderosa.

Dada a profundidade do auto-ódio racial branco, parece que só uma catástrofe natural poderia descarrilar os planos de minorização da maioria nos Estados Unidos até por volta de 2040. Nós já vimos como foi preciso a Covid-19 para que as fronteiras fossem fechadas e, gradativamente, suspenso o tráfego aéreo. Dá até arrepio só de pensar no que poderia levar os Estados Unidos a cancelar seu programa de imigração massiva de forma definitiva. Seria uma devastadora guerra racial? Talvez uma severa depressão econômica que deixasse sem emprego a maioria dos americanos? Ou uma peste que matasse metade da população americana?

Se nenhuma dessas possibilidades, então o quê? Quem sabe o choque de um asteroide contra a Terra? Para os esquerdistas, é “tudo ou nada”: ou o Ocidente torna-se diverso, ou desaparece no nada.

A loucura do estabilismo esquerdista aparentemente não tem limite.

O nacionalismo branco sobreviverá ao estabilismo esquerdista americano?

A decadência do Império Americano não se parece com a de outros. Tomemos o caso de Roma. Desde o caos do terceiro século até as invasões bárbaras do quinto século, o Império Romano resistiu a uma série de violentos cataclismos societários. Na altura do quinto século, ele sucumbiu em meio a uma miríade de negatividades externas e internas: a peste, a guerra civil, o aviltamento da moeda, a invasão dos bárbaros, a diversidade étnica, a expansão do cristianismo na bacia do Mediterrâneo, o despovoamento … Apesar disso tudo, a elite pagã romana ainda acreditava na Roma Aeterna e se orgulhava de descender de Eneias, não obstante todos os desastres humilhantes que incidiram sobre o Império desde o fim do Caos. Roma tombou violentamente, mas de morte natural, no inverno do ciclo de sua existência.

Ao contrário de como se deu a queda de Roma, o declínio dos Estados Unidos tem sido deliberadamente engendrado por elites hostis. Os imigrantes judeus da Escola de Francforte patologizaram o etnocentrismo branco e, na esteira deles, os esquerdistas transformaram a “doença” no imperdoável crime de “racismo”. Daí, então, o “racismo” passou a ser usado como arma para incriminar os dissidentes raciais contrários à diversidade. A dissidência passou a ser perseguida até que seus membros perderam proeminência social, acabando relegados às margens da sociedade. Nessa condição de quase párias, isolados e estigmatizados, os dissidentes servem de lembrete aos brancos do que pode acontecer com aqueles que se recusam a abandonar sua raça e nação.

Mediante operações de engenharia social, o estabilismo esquerdista concertou a rendição unilateral das nações ocidentais ante as hordas escuras; a maioria dos brancos simplesmente obedeceu aos seus mestres judeo-bolchevistas como se fossem animais amestrados. Poucos brancos arrostaram a cometida. Aparentemente, os brancos foram tão completamente endoutrinados pela mídia e pelo sistema de ensino que terminaram aceitando a transformação demográfica dos Estados Unidos como fato consumado.

Nós podemos considerar o declínio dos Estados Unidos como inexorável por uma série de razões, todas endógenas em última instância, em termos de sua etiologia. Algumas delas, arrolamos abaixo:

  1. a atomização da moderna sociedade americana;
  2. a falta de uma consciência racial branca; e
  3. a exaustão da civilização branca.

A atomização da sociedade tem por causa fatores industriais, tecnológicos e sociopolíticos. Em virtude de certos desenvolvimentos tecnológicos, comunidades inteiras foram desarraigadas, os laços do indivíduo com sua raça e nação sendo rompidos. A população dos Estados Unidos é agora mais móvel do que nunca antes, ao contrário das gerações anteriores. As políticas econômicas neoliberais aumentaram a alienação dos trabalhadores no seio da sociedade dominante, transformando-os em simples engrenagens; tornando-se facilmente substituível, o trabalhador não é mais valorizado pelo aporte de que é capaz. Sua posição na ordem social ficou precária, passando a depender dos caprichos do mercado “livre”. Consequentemente, ele não se sente mais responsável pela sociedade ou pela sorte das futuras gerações, que desgraçadamente sofrerão com o legado maldito deixado para trás.

Na falta de maior solidariedade, grassa o fatalismo e a apatia niilista na sociedade americana. Muitos brancos voltaram-se para as drogas e o álcool, ante o vazio espiritual de suas vidas; a crise do fentanil que se alastra nos Estados Unidos ganha força, pelo menos em parte, da desintegração dos antigos liames comunais e familiares que havia nas precedentes gerações de brancos. Em tal contexto, fica difícil, embora não impossível, manter uma identidade racial branca coerente.

Outrossim, ocorre que os brancos não se veem mais como brancos. Até 1965, a consciência racial branca era critério distintivo da americanidade. Muitos americanos brancos viam-se como brancos e defensores dos interesses brancos. Ainda que não chamados de nacionalistas brancos, eles eram nacionalistas brancos. Desde o Período Colonial até a II Guerra Mundial, a denominação “nacionalismo branco” teria sido redundância nos Estados Unidos, dada a conexão histórica entre a consciência racial branca e a identidade étnica americana.

A partir de 1965, a cultura popular ocidental passou a promover a diversidade em detrimento dos brancos. Para a maioria, uma explícita identidade racial branca não parece assumptível pela consequência da desaprovação social. Sendo agora a identificação racial branca vista como vergonhosa, os brancos repartiram-se segundo linhas culturais, num retorno ao americanismo hifenizado [afroamericano, ítaloamericano etc.], o qual Theodore Roosevelt muito deplorou. Os brancos que decidem desafiar o novo status quo em favor da autodeterminação branca são discriminados e perseguidos.

Além da atomização da sociedade americana, existe outra razão ainda mais profunda para o caráter inevitável da morte dos Estados Unidos. Os brancos, enquanto raça, perderam o seu dinamismo, o assim chamado elã vital. O colapso dos grandes impérios coloniais que se seguiu à II Guerra Mundial explica-se pelo cansaço civilizacional branco. Depois de chegarem a dominar 84% da superfície da Terra em 1914, os brancos ocidentais correm o risco de perder seu território em seus próprios países.

Esse cansaço civilizacional mostrou-se mais evidente em lugares como a Rodésia e a África do Sul. Nestes países, o homem branco entregou suas possessões duramente conquistadas sem opor resistência. Os brancos dotados de consciência racial, que acreditavam merecer o Sul da África por direito de conquista, eram muito poucos para lograr êxito na reação à sua desterritorialização. Eles tiveram de lutar contra guerrilhas afro-marxistas apoiadas pelos soviéticos, contra os aliados judeo-bolchevistas delas e ainda contra os traidores domésticos da quinta-coluna. Se os brancos se recusaram a lutar quando tinham esmagadora superioridade tática, o que se dirá do que farão quando os Estados Unidos forem o Brasil 2.0 por volta do fim deste século?

Em seu livro A hora da decisão (1934), Oswald Spengler escreveu fatidicamente sobre o homem branco que baixa a sua guarda racial:

O homem de cor vê o interior do homem branco quando este fala de “humanidade” e de paz eterna. […] Ele fareja a inadequação do outro, a sua falta de vontade para defender a si mesmo.

O perigo bate à porta. As raças de cor não são pacifistas. Elas não se apegam a uma vida que tenha como único valor a longevidade. Seus homens tomam da espada quando nós a depomos. Eles já temeram o homem branco; agora o desprezam. A nossa sentença é lavrada em seus olhos quando homens e mulheres se comportam como nós fazemos em sua presença, em sua terra ou em nossa própria. Antes os homens de cor tremiam de medo de nosso poder — assim como os povos germânicos diante das primeiras legiões romanas. Hoje, quando eles dispõem de poder, sua alma misteriosa — a qual jamais entenderemos — eleva-se e olha para os brancos embaixo como coisa do passado.

Conforme a compreensão que tem Spengler do desenvolvimento histórico do Ocidente, a “alma megalopolitana”—a que inevitavelmente anima o homem faustiano em seu impulso para o infinito — é consequência do declínio da cultura ocidental ou, como antes denominei, do “cansaço civilizacional”. A alma megalopolitana é atradicional, arreligiosa, hedonista, gosta muito de pão e circo, não tem raízes e tudo vê de perspectiva completamente materialista. Ela se situa em oposição aos valores sociais tradicionais das sociedades indo-arianas, quais sejam: a monogamia patriarcal, a hierarquia, o ânimo de guerra, razão pela qual ela se presta à negação desses valores, com apelo aos seus contrários, isto é: a liberdade sexual, a paz universal, a tolerância, a igualdade, valores estes que a alma megalopolitana abraça, porque eles solapam os valores tradicionais que ela despreza. Ao mesmo tempo, os imigrantes não brancos nos Estados Unidos não acreditam tanto na “humanidade” e na “paz eterna” de seus hospedadores.

A ingenuidade do homem branco, que o faz incapaz de discernir os motivos últimos de seus inimigos, é a razão de sua queda, merecida, aliás, infelizmente. O seu sentimento socialista do mundo, seu cristianismo sem religião (ou, segundo Spengler, sua “moral sem dogma”) cegou-o para a necessidade de sua própria autopreservação. O homem branco não mais enxerga a significação funcional de lemas como “Diversidade é força”, tão caros a não brancos e esquerdistas, que os repetem como mantras para promover os interesses étnicos de não brancos nos Estados Unidos. Quando a raça branca recuperar a sua visão, verá que os Estados Unidos vão-se perdendo sob a ocupação de populações alógenas, mas então poderá ser tarde demais para salvar o seu país.

No livro A decadência do Ocidente, a alma megalopolitana é criatura da estação do inverno no ciclo de vida das culturas. Ela marca o começo do seu fim.

Conclusão

Os Estados Unidos provocam guerras, derrubam regimes e instauram ditaduras amigas em nações não brancas, ainda quando nada disso tenha nenhuma implicação geoestratégica de importância para a segurança nacional americana; os Estados Unidos dissipam preciosos recursos com a perseguição de dissidentes raciais,  mas não podem defender a integridade de seu próprio território contra os bandos de aventureiros do Terceiro Mundo que ameaçam seus limes. Uma das maiores ironias da história ocidental é que os Estados Unidos elevaram-se a grandíssima altura entre as nações e depois desmoronaram e agora afundam no lamaçal social dos não brancos. Muito tempo atrás a nação americana traiu os princípios de sua república aristocrática sobre os quais ela se erguera. Estando agora no fim do caminho que escolheu com esse mau passo que deu, ela termina os seus dias como decadente democracia totalitária com pretensões imperiais.

Os Estados Unidos devem morrer porque os brancos que formaram a espinha dorsal de sua civilização são agora alienados cosmopolitas, poltrões desarraigados. Se as destrutivas políticas seguidas pelas elites mostram-se irreversíveis, isso decorre de não existir mais causa comum para os brancos, nada que os possa reunir e mobilizar. Os Estados Unidos devem morrer, o que não quer dizer que o nacionalismo branco morrerá com eles também. Nações brancas surgiram e desapareceram, mas a raça branca perdura pelo correr das idades. Ao contrário da maioria dos brancos, os dissidentes raciais brancos conservam ao menos forte consciência de sua identidade racial. Basta que pequeno número de brancos racialmente conscientes sobreviva à tendência suicida da maioria branca do abalado império americano, para que a raça branca desmorra e prospere para longa e feliz vida na América do Norte.

Fonte: The Occidental Observer. Autor: Ferdinand Bardamu. Título original: White Nationalism and its Leftist Enemies. Data de publicação: 17 de julho de 2020. Versão brasilesa: Chauke Stephan Filho.

 

“Kevin MacDonald: a raça branca em perigo”: resenha de Graham Seibert do livro Individualism and the Western Liberal Tradition, de Kevin MacDonald (extratos de Henry Makow)

Como foi possível que a evolução levasse os povos de origem europeia ao seu zênite, para depois contrapô-los a si mesmos?
(KEVIN MACDONALD)

Está claro que as nações brancas devem adotar as políticas da Polônia ou Hungria, se quiserem sobreviver ilesas.
(HENRY MAKOW)

 A evolução é o tema do livro muito ambicioso de MacDonald. Como foi que os povos procedentes da Europa Ocidental vieram a ser tão diferentes de outros povos do mundo? Como chegamos aonde estamos, e quais são as implicações evolucionárias para o nosso futuro?

A dissertação de MacDonald examina a razão pela qual o seu tema — os interesses evolucionários dos povos brancos — é considerado injurioso, e sua discussão, indigna de respeito. Os leitores desta resenha certamente irão reconhecer que os direitos civis de negros, muçulmanos e hispânicos apresentam-se como questão legítima na Europa Ocidental e na América do Norte, enquanto os mesmos direitos que corresponderiam aos brancos não gozam da mesma boa reputação. Seria inconcebível que no congresso houvesse reunião política só para brancos, ou que se criasse uma disciplina universitária chamada Estudos Brancos, ou que se realizasse uma Semana Acadêmica de História Branca.

MacDonald é um psicólogo evolucionário, um cientista. O foco principal dele está nas explicações. Por quê? Como? De que forma chegamos a este ponto? Em sua conclusão, ele aponta vários caminhos a seguir. MacDonald afirma — como analista, não como advogado — que as sociedades originárias do Ocidente aproximam-se de um momento decisivo. A animosidade contra as pessoas brancas — contra os homens brancos heterossexuais, especialmente — segue num crescendo. As pessoas brancas não podem continuar como que num estado de inocência, quando muitos concidadãos seus, sobretudo na mídia e em seu próprio governo, sentem ódio delas. Elas não podem ignorar o fato de que serão em breve uma minoria nas terras que seus antepassados habitaram durante séculos nas Américas e durante tempos imemoriais na Europa.

A tese de McDonald oferece desapaixonada fundação científica, uma base explanatória que em termos evolucionários sustenta outros livros mais populares lançados recentemente. The Madness of Crowds: Gender, Race and Identity, de Douglas Murray, examina o engendro irracional do ódio antibranco; The Coming War in Europe, de Julian Langness e Ethnic Apocalypse: The Coming European Civil War,de Guillaume Faye, oferecem descrições abrangentes das manifestações do problema na Europa e prognósticos de sua manifestação futura.

A BREVE RESENHA *****

Os primeiros dois capítulos tratam da história evolutiva dos europeus desde tempos pré-históricos. O professor MacDonald descreve o desenvolvimento e as migrações dos principais grupos, que ele refere fazendo uso de abreviaturas para facilitar a denominação. A maior parte do texto foca os EFs (Early Farmers from Anatolia) [pioneiros agricultores da Anatólia], os I-Es (Indo-Europeans) [indo-europeus], os WHGs (Western Hunter-Gatherers) [grupos de caçadores-coletores ocidentais] e os SHGs (Scandinavian Hunter-Gatherers) [caçadores-coletores de Escandinávia].

Os Efs [pioneiros agricultores] tinham olhos e cabelos escuros, pertencendo a tribos do Levante que introduziram a agricultura na Europa, por transmissão cultural ou substituição populacional. Tendiam a ser patriarcais, polígamos, endogâmicos, hierárquicos e bastante tribalistas.

Os indo-europeus tendiam a ser pastores guerrários. Eles eram dominados pelo Männerbünd — que significa “bando de homens” — e mantinham relações de igualdade entre si, mas dominavam as mulheres, as crianças, os servos e os escravos, os quais formavam a maioria da população. A chefia não era hereditária, mas dependia da autoridade conquistada no seio do männerbünd. Havia, pois, razoável grau de mobilidade social. Um homem que se destacasse como guerreador poderia ser o capitão. A honra era muito estimada. Os homens lutavam pelo reconhecimento de sua habilidade na guerra, sua capacidade de comando e sua generosidade. A riqueza era tida em desvalor. Para uma interpretação contemporânea e uma indicação do que falta à sociedade moderna e do que ela precisa, ler The Way of Men [título da edição brasilesa: O código dos homens]

Os caçadores-coletores ocidentais e, ainda em maior grau, os caçadores-coletores escandinavos formavam sociedades guerrárias extremamente igualitárias. Embora não praticassem a agricultura, desenvolveram sociedades complexas, que eram pelo menos parcialmente sedentárias, com base na extração de frutos do mar e recursos semelhantes. Eles eram ainda mais igualitários do que os indo-europeus, no sentido de que não dispunham de mais extensa classe de servos ou escravos. Tendiam à monogamia e as mulheres gozavam de alto status. Cf. Why Did Europe Conquer the World? para uma análise do éthos guerreiro.

MacDonald argumenta que, por uma série de razões, geográficas inclusive, os caçadores-coletores ocidentais e escandinavos desenvolveram sociedades altamente comunais sem fortes liames de parentesco. Seu casamento era exogâmico. Com isso, o grupo comunal compunha-se de belatores postos à prova como chefes nos campos de batalha, com independência da sua condição de membros de famílias extensas. Esta característica marcava também os grupos de mais alta posição entre os indo-europeus, o männerbünd, embora não os grupos mais numerosos das camadas mais baixas daquelas sociedades.

MacDonald segue afirmando que essas características acima referidas tiveram por consequência o individualismo. O inóspito ambiente do Norte europeu exigia muita inteligência para a sobrevivência e a preservação da prole. A união exógena e monogâmica produziu casais de cônjuges de igual capacidade, cada qual com considerável status na família e na comunidade. Os indivíduos ascendiam em sua comunidade mais por força de sua habilidade do que por influência de validismo familiar. Isso daria valor às realizações pessoais — daí o individualismo.

Ele comprova que a sociedade dos caçadores-coletores do Norte europeu era tão eficiente, na guerra principalmente, que resistiram ao avanço da agricultura durante milênios, o que não teria acontecido se vivessem em regiões de clima menos severo. Essa sociedade de caçadores-coletores era uma incubadora de individualismo e inteligência.

MONOGAMIA

MacDonald observou certas características da monogamia peculiares aos povos europeus — e só a eles. Como mencionado acima, o casamento monogâmico e vitalício fez da qualidade dos consortes fator crítico. A seleção conjugal em condições ambientais adversas resultou em forte pressão evolucionária no sentido de mais elevada inteligência. Em sociedades agrícolas nas áreas de clima mais ameno, ao contrário, um homem poderia dispor de várias mulheres para a sua reprodução — e a qualidade delas não fazia tanta diferença.

A monogamia aumentou a chance de que cada homem tivesse a sua companha, reduzindo assim a competição, o que favoreceria a coesão do grupo. Outra consequência da monogamia consistiu na elevação do status da mulher na sociedade. O trabalho delas era necessário e valorizado. A sociedade simplesmente não podia deixá-las isoladas, escondê-las por trás de cortinas e véus, porque isso limitaria sua produtividade.

Outrossim, a monogamia elevou a idade da mulher para o casamento, aproximando sua idade àquela de seu marido. Numa sociedade individualística, a família nuclear não se mantinha na redoma da comunidade inclusiva, senão que se sustentava por si mesma, constituindo entidade econômica independente. (Cf. James Q. Wilson: The Marriage Problem.) Isso tudo tinha por condição a autossuficiência do marido, que não se casava antes de conquistar sua independência. O casamento mais tardio acarretou o que MacDonald chama de “Perfil demográfico de baixa pressão”, prevalecente ao longo de gerações, com menos filhos e mais investimento dos pais.

O CRISTIANISMO

A Igreja não tem paralelo em nenhum outro lugar do mundo. Ela foi uma organização poderosa que existiu ao lado dos governos seculares e, frequentemente, em competição com eles. A Igreja conseguiu se impor como autoridade capaz até de ditar regras para a vida sexual da nobreza, de reis, inclusive. A clerezia defendeu fortemente a instituição da monogamia, embora não se saiba se ela mesma instituiu a monogamia ou se apenas deu seguimento a padrão cultural preexistente.

O amor romântico é singular característica do Ocidente, que evoluiu a par da monogamia e do investimento paterno. A união marital era mais produtiva se o marido e a mulher tivessem afeição recíproca. Wilson cita evidências do amor romântico já na literatura inglesa da Idade Média. MacDonald aponta as demonstrações de mútua afeição entre pais europeus e seus filhos, notando sua ausência nas culturas africanas, especialmente.

O Altruísmo é uma característica da sociedade igualitária com fracos laços de parentesco que teve consequências de grande alcance. O éthos guerrário exigia bravura pessoal e dedicação ao grupo, ainda que à custa da própria vida. Esse espírito de autossacrifício não se desenvolveu em sociedades mais hierárquicas. MacDonald ressalta o grau de altruísmo extremamente elevado nos países escandinavos de hoje. Diante da generalizada imigração de grupos que não compartilham nada desse éthos, ele se transforma em suicídio evolucionário — altruísmo patológico.

OS JUDEUS FOMENTAM A IMIGRAÇÃO 

Os judeus opuseram-se fortemente à lei da imigração de 1924 e agiram constantemente para revogá-la, o que conseguiram com a lei de Gart Celler em 1965. A começar de Franz Boas na virada para o século XX, os intelectuais judeus buscaram apresentar as interpretações evolucionárias das diferenças humanas como coisa imoral. Entretanto, nunca nenhuma ciência digna desse nome refutou quaisquer das descobertas dos primeiros pesquisadores da inteligência, que indicavam as significativas diferenças nos níveis médios de inteligência entre as raças. Os acadêmicos judeus, ao contrário, gente como Stephen Jay Gould, Stephen Rose e Richard Lewontin, escreveram tratados que atacavam as motivações dos pesquisadores da inteligência e mistificaram tudo ao questionar a validade de seu método de pesquisa. Foi depois   da intensa midiação do Holocausto, sobretudo nos anos sessentas, que as discussões sobre as diferenças entre as raças, particularmente quanto à inteligência, mas também relativas a outros traços de personalidade, tornaram-se tabu.

Em consequência disso, depois de 1965 até esta parte, agora ainda de forma mais acelerada, uma enxurrada de imigrantes não brancos vai ocupando os EE.UU. como também a Europa Ocidental. As forças em favor da imigração falam como se fossem porta-vozes da Moral e chegam até mesmo a proibir o questionamento da imigração. A simples referência ao problema expõe o crítico à execração moral, o que envolve acusações de racismo, xenofobia e coisas do tipo.

MacDonald conclui que o próprio altruísmo dos brancos voltou-se contra eles. Apenas os brancos foram proibidos de defender os seus interesses. E aqueles que mais reforçam essa injunção, eles mesmos são brancos e contam, é claro, com forte apoio dos judeus, que assim alcançam o objetivo longamente perseguido de destruir o poder branco.

MacDonald observa que os brancos estão cada vez mais ganhando consciência de quão precária é a sua posição. Aos brancos, e só aos brancos, não se permite o reconhecimento de seu autointeresse étnico. As projeções indicam que os brancos tornar-se-ão uma minoria em seus territórios históricos na altura do final deste século XXI. Os brancos são abertamente provocados e perseguidos em seus próprios países por negros e muçulmanos. Os judeus em geral alinham-se explicitamente com as minorias no ataque aos brancos. Outras minorias mostram-se claramente relutantes em defender os brancos.

Por conseguinte, o apoio branco ao Partido Republicano vem crescendo de vários pontos percentuais a cada eleição presidencial desde há meio século. O último candidato presidencial dos democratas a conquistar a maioria dos votos brancos foi Lyndon Johnson em 1964. A situação parece que se encaminha para um ponto crítico, com a agitação social em 2019 tendo chegado perto dos níveis de 50 anos atrás.

 

Esta é uma visão geral de alguns dos temas abordados no livro. O sumário de MacDonald é extremamente detalhado e útil. […] Para uma análise exaustiva, o leitor deve ler Why Are Whites Committing Suicide?, de Jared Taylor.

 

 

Fonte: Henry Makow. Autores: Graham Seibert e Henry Makow. Título original: Kevin MacDonald: The white race in peril. Data de publicação: 30 de junho de 2020. Versão brasilesa: Chauke Stephan Filho.

 

A psicologia social é merda antibranca

Para mim, a coisa mais assustadora no 1984, de George Orwell, não é aquele grupo de “homens de uniforme preto” que impiedosamente espanca Winston Smith num recinto do Ministério do Amor, usando os “pulsos”, “cacetetes”, “barras de metal” e “botas de ferradura”. Tampouco é a máquina silenciosa que o inquisidor O’Brien usa para fazer Winston “sentir dor” “a qualquer momento e na medida desejada pelo torturador”. Não é nada disso, trata-se de outra coisa, uma coisa que não faz Winston sentir nenhuma dor:

Duas macias almofadas, meio úmidas, foram fixadas sobre as têmporas de Winston. Ele tremeu. A dor estava para vir, mas de novo tipo. O’Brien pousou sua mão sobre a de Winston, de forma quase gentil, como que para encorajá-lo.

— Desta vez eu não vou machucar você — ele disse. — Fique olhando para os meus olhos.

Nesse momento houve uma devastadora explosão, ou alguma coisa parecida com uma explosão, embora fosse incerto que tivesse havido algum barulho. Ocorreu, sem dúvida, um lampejo ofuscante. Winston não foi ferido, apenas foi prostrado. Embora ele já estivesse em decúbito dorsal quando a coisa aconteceu, ele teve uma curiosa sensação de que fora forçado àquela posição. Um terrível golpe, mas sem dor, deixara-o completamente abatido. Também alguma coisa tinha acontecido dentro de sua cabeça. Enquanto seus olhos recuperavam a nitidez e ele se relembrava de quem era e de onde estava, reconheceu a face que a sua própria face confrontava; mas aqui ou ali havia um vazio, como se alguma parte tivesse sido extraída de seu cérebro. […]

O’Brien levantou os dedos da mão esquerda, escondendo o polegar.

— Estou mostrando cinco dedos para você. Você está vendo cinco dedos?

— Sim.

E ele os viu mesmo, rapidamente, antes que a configuração de sua mente mudasse. Ele viu cinco dedos, sem nenhuma distorção. Depois tudo voltou ao normal de novo, e o velho medo, o ódio e a confusão prevaleceram mais uma vez. Mas houve um momento — ele não sabia quanto havia durado, trinta segundos talvez — de luminosa certeza, quando cada nova sugestão de O’Brien preenchia completamente o vazio, fazendo-se de verdade total, e quando dois mais dois dava três ou, também facilmente, dava cinco, se assim fosse necessário.

— Você percebe agora — disse O’Brien, que de qualquer forma é possível.

— Sim — disse Winston. (1984, parte 3, cap. 2.)

Não era “um novo tipo de dor”, era um novo tipo de horror: a ideia de que o Estado possa penetrar sua cabeça e interferir diretamente na sua mente. Quando 1984 foi publicado pela primeira vez em 1949, essa ideia era só um pesadelo da literatura de ficção. Entretanto, a cada ano passado desde então, o pesadelo de Orwell vai ficando mais perto da realidade.

E que não haja dúvida quanto a isto: hoje existe gente totalitária nos países ocidentais que adoraria usar uma máquina de reorganização cognitiva contra os criminosos intelectuais como esses articulistas do The Occidental Observer. De fato, dia desses eu topei com um desses manipuladores mentais. Trata-se da psicóloga social chamada Amy R. Krosch, da Universidade de Cornell, recentemente “designada” “Rising Star” da Associação Americana de Psicologia (ASA).

O repugnante espírito da maldade branca

Krosch revela na sua rede social que ela é “legebete” e gosta dos pronomes “her ou they”. Também diz que se casou com  “uma mulher e um buldogue”. A psicologia americana percorreu longo caminho: de classificar o lesbianismo como tipo de desordem mental passou a atribuir o status de “Rising Star” a uma fanática lésbica.

E Krosch é mesmo fanática. Uma fanática antibranca, para ser preciso, e por isso mesmo a ASA orgulha-se tanto dessa sua criatura. Krosch não concorda com as famosas palavras atribuídas à rainha Elizabeth I da Inglaterra (1533–1603): “Eu não abriria janelas para a alma dos homens”. Amy Krosch quer abrir janelas na alma das pessoas. Mas só em se tratando das almas de pessoas brancas, e desde que aquilo a ser encontrado nessas almas sirva ao seu propósito de fomentar o ódio à raça branca:

A discriminação pode ocorrer tão rapidamente quanto um piscar de olhos, especialmente durante períodos de crise econômica, segundo revela um novo estudo da Universidade de Cornell. “A influência da escassez na mente pode de fato exacerbar a discriminação”, afirmou Amy Krosch, professora-assistente de Psicologia em Cornell. “Demonstramos que a mínima mudança na fisionomia de grupos minoritários sob condições de escassez resulta em aumento da discriminação.”

No primeiro experimento, 71 estudantes de graduação em Psicologia de uma universidade particular — nenhum dos quais identificado com negro ou afro-americano — foram solicitados a olhar para fotografias de homens brancos e negros expostas numa tela. Os estudantes, então, deveram premiar cada uma das pessoas representadas pelas faces com até US$ 10, conforme o merecimento de cada uma das figuras, de acordo com a “sutil percepção dos estudantes”.

Um grupo de controle foi informado de que cada face poderia receber US$ 10, no máximo. Mas os sujeitos do grupo experimental acreditavam haver recebido US$ 10 de forma aleatória de um total de US$ 100 de que disporiam para as premiações, o que suscitava neles um sentido de escassez.

Eletrodos colocados no couro cabeludo mensuraram o tempo que cada sujeito levou para perceber as figuras como distintas faces humanas. Este processo subconsciente liga-se à atividade cerebral do giro fusiforme e normalmente leva apenas 170 milissegundos, ou seja, menos do que dois décimos de segundo.

No grupo de controle, os sujeitos levaram o mesmo tempo para processar as faces de cada raça e para distribuir igualitariamente o dinário. Mas no grupo para o qual o recurso era escasso, a pesquisa mostrou que os participantes levaram em média “tempo significativamente mais longo” para processar as faces negras do que as faces brancas. Os pesquisadores também mostraram que essa detença perceptiva estava relacionada a preconceito antinegro, razão por que os sujeitos deram menos dinário para as faces negras.

“Eles levaram mais tempo para reconhecer uma face negra como uma face, e essa diferença dá a medida do quanto eles discriminam os indivíduos negros”, disse Krosch.

A equipe de Krosch realizou um segundo conjunto de experiências envolvendo imagens da atividade cerebral para confirmar se o processamento visual alterado das faces negras decorria da desestima dessas faces, ou seja, de comportamento preconceituoso.

O registro neuroimagiológico revelou atividade menos intensa no corpo estriado, região do cérebro responsável pelo processamento de avaliações e recompensas. Isso sugeriu que os sujeitos possam não ter visto as faces negras como faces ou, pelo menos, que as viram, como faces, num certo sentido, menos humanas. A menor atividade do giro fusiforme e do estriado estava correlacionada com a menor quantidade de dinário recebida pelas faces negras. Este estudo foi financiado pela National Science Foundation. (When money is scarce, biased behavior happens faster, ScienceDaily, 29th October 2019).

Essa foi a reportagem sobre o trabalho de Krosch intitulado Scarcity disrupts the neural encoding of Black faces: A socioperceptual pathway to discrimination” (escrito em colaboração com David M. Amodio, da Universidade de Nova Iorque). E esta é uma interessante passagem da reportagem: ”…estudantes de graduação em Psicologia de uma universidade particular — nenhum dos quais identificados como negro ou afro-americano…”. Krosch não quis correr o risco de que se lhe deparasse alguma coisa desagradável no cérebro de negros, assim ela os excluiu do estudo. Eu acho que a pesquisa dela era (e é) motivada pela hostilidade para com os brancos e sua intenção era (e é) a de gerar ainda mais hostilidade. Atente-se na frase “nenhum dos quais”, decerto ditada por Krosch ou alguém do pessoal dela. A frase deveria ser “nenhuma dessas pessoas”, porque os estudantes são seres humanos, não animais ou coisas. Será que a escolha de termos mais reificantes estaria a indicar que alguém da equipe de Krosch despreza os estudantes, vendo-os, “num certo sentido, como menos humanos”? É bem possível.

Festival de “punins”

E se o leitor desejar conhecer a equipe de Krosch, ofereço uma seleção de “punins” (no singular: “punim”, palavra iídiche significando“face” ) postada no Social Perception and Intergroup Inequality Laboratory, ou, abreviadadmente, Krosch Lab :

Festival de punins: membros do Krosch Lab

A Sra. Krosch está na extrema direita (da fotografia, claro), mas seu punim merece registro mais de perto. Aqui está outra foto dessa fascinante acadêmica:


Amy Krosch, Rising Star da Associação Americana de Psicologia (com Greta Thunberg para comparação)

A ampla punim testosteronizada de Krosch é semelhante àquela da belatriz sueca da cruzada ecológica, a santa Greta Thunberg. Aliás, eu fui repreendido em comentários ao meu último artigo para o TOO por “chamar atenção para mínimas deficiências de beleza física” das jornalistas Stephen Daisley e Tanya Gold, mas não creio que a censura seja procedente. Como o grande Chateau Heartiste [blogue politicamente incorreto] tem ensinado frequentemente: “O fisionomismo é real.” A feiura do esquerdismo como ideologia corresponde, muitas vezes, à feiura do esquerdista enquanto pessoa. Eu também concordo com um artigo fascinante saído na National Vanguard argumentando que “Os judeus são repulsivos e, em geral, um povo feio” e que “Os judeus enquanto grupo opõem-se à beleza”. De fato, o Talmude aconselha os judeus a não considerar a beleza física como importante no casamento: “A graça é falsa e a beleza é vã. Tenha em conta a boa educação, pois a finalidade do casamento está na procriação”. (Tanit 26b e 31a).

Todo o espectro da diversidade humana

Amy Krosch é judia? Não tenho como provar que seja, mas vou adaptar ao caso dela o que eu disse a propósito da jornalista Stephen Daisley no “Jeremy’s Jackboots.” Uma coisa é certa: ela se comporta tal qual um judeu, por sua indefectível hostilidade antibranca e por sua convicção de que a culpa pelos fracassos dos não brancos é dos brancos. E a Sra. Krosch, obviamente, tem recrutado colaboradores para o Krosch Lab pelo critério do ódio. Os candidatos preferenciais são aqueles que mais ódio sentem da raça branca:

Nosso laboratório respeita e valoriza todo o espectro da diversidade humana quanto a raça, etnicidade, religião, identidade e expressão de gênero, orientação sexual, tipo físico, nível socioeconômico, idade, deficiência física e origem nacional. Defendemos a inclusão e a diversidade pela realização de todos em condições sustentáveis de excelência, mediante pesquisa, treinamento e campanhas de serviço e sensibilização em campo, a mais de atuarmos na promoção de pessoas sub-representadas na psicologia. Estimulamos estudantes de cor, mulheres, imigrantes e toda gente sub-representada a que se inscreva como candidato para trabalhar no Laboratório. (Social Perception and Intergroup Inequality Laboratory / Krosch Lab, November 2019)

Mentira! O Krosch Lab não “respeita e valoriza todo o espectro da diversidade humana”, porque é claramente hostil aos brancos na pesquisa e hostil aos homens no recrutamento. Alguém pode olhar a foto do “time de Krosch” e achar que esses rostinhos bonitos [punins] pertencem a acadêmicos sãos e objetivos no trabalho isento de busca desinteressada da verdade? Espero que não, pois para mim eles não parecem ser nada objetivos nem ter o físico para o papel de perquisidores da verdade. Seus punins não indicam nenhum grau elevado de inteligência, mas isso não é de surpreender. A psicologia é essa coisa mesmo, afinal. Os observadores mais sensíveis já sabiam desde muito tempo antes da atual “crise da condição R & R” [Reprodutibilidade (da experiência) e Repetibilidade (dos resultados): condições do método científico para a determinação dos fenômenos objetivos] que grande parte da psicologia era só merda. A área da psicologia social em que Krosch atua está no coração da crise, mas a psicometria está notavelmente imune a ela.

Espoliação, não compreensão

Eu não sei a quanto chega a crosta merdácea no trabalho da Sra. Krosch, mas de qualquer modo há nele a crosta de Krosch. E ela está tentando melecar todos os brancos com essa sua secreção gosmenta. Eis o que diz o Krosch Lab sobra a sua missão científica:

O nosso objetivo consiste em entender a ampla e persistente desigualdade existente entre os grupos nos Estados Unidos. Nós investigamos os fatores sociais e econômicos que amplificam a discriminação, como também os processos sociocognitivos, perceptivos e emocionais mediante os quais os propósitos e motivações dos decisores influenciam o comportamento deles em relação aos membros de seu próprio grupo e de outros grupos. (Social Perception and Intergroup Inequality Laboratory/Krosch Lab, November 2019)

De novo, não penso que o Krosch Lab tenha por escopo “entender a ampla e persistente desigualdade existente entre os grupos nos Estados Unidos”. Creio que a real intenção seja explorar a “desigualdade” para colocar a culpa toda nos brancos. Acredito também que o time de Krosch é recrutado, como diria Vox Day [pseudônimo de Theodore Robert Beale, escritor, editor, quadrinista, criador de videojogos e militante da resistência branca], entre “aqueles que nos odeiam, que odeiam os Estados Unidos, que odeiam o Ocidente e querem destruir tudo o que é bom, belo e verdadeiro”.

Como funciona a psicologia

O pessoal de Krosch nunca será capaz de produzir uma máquina mental de correção política do tipo daquela descrita no 1984, mas decerto aquela turma ficaria muito feliz se pudesse usar uma. Acho até que algumas pessoas daquele Laboratório iriam se deleitar operando a máquina de produzir dor descrita no mesmo 1984. Eu posso entender a psicologia que eles fazem à maneira antiga, só de olhar para a cara deles. Amy Krosch, é claro, prefere técnicas mais atualizadas. Ela emprega eletrodos cranianos para provar que no giro fusiforme e no corpo estriado do cérebro doentio dos goins ocorrem atividades correspondentes a estados mentais politicamente incorretos, os quais devem ser sanados.

A branca Cornell contra a vibrante e ricamente negra Nova Iorque

Bem, vamos adaptar as palavras de Jesus Cristo e dizer: “Psicólogo, conhece-te a ti mesmo!”. Amy Krosch mostra muita hostilidade contra brancos e provavelmente também contra cristãos. Gente do tipo dela dirigia e operava as câmaras de tortura, compondo também os esquadrões da morte dos regimes comunistas durante o século XX (cf. “Stalin’s Willing Executioners”, de Kevin MacDonald). Aliás, eu gostaria de saber o que os tais eletrodos poderiam revelar das atitudes dela a propósito dos brancos — e dos negros, também. Um estudo comparativo de judeus, negros e brancos quanto à reação ante judeus, negros e brancos seria dos mais interessantes — mas, evidentemente, nunca será realizado, por muitas razões, a principal é que os judeus teriam avaliação bem diferente da dos brancos, e essa seria uma diferença bem pouco lisonjeira.

Considere-se, por exemplo, o que Krosch disse sobre Cornell: “O que mais me agrada em Cornell é viver numa cidade pequena, tranquila, bonita, principalmente depois dos 10 anos que passei em Nova Iorque”. Ocorre que Nova Iorque é cidade com muito mais diversidade racial do que Ithaca, onde fica Cornell. Os brancos formam 84,14% da população de Ithaca, havendo lá apenas 2,93% de negros ou afro-americanos. A proporção em Nova Iorque é de 44% de brancos (33,3% de brancos não hispânicos) e 25,5% de negros, o que mostra que Amy Krosch segue o padrão de Tim Wise, Michael Moore e muitos outros esquerdistas antibrancos, que vivem criticando o racismo branco mas só moram em lugares de gente branca.

Depois que o porco do Stephen Daisley leu o meu “artigo calunioso” [no original: “hit piece”] contra ele no “Jeremy’s Jackboots”, ele se manifestou: “Eu não sei como é que a descrição que eles fazem de mim como um entusiasmado defensor de organizações muçulmanas tais qual a Tell Mama e do discurso de ódio que articulam possa ser compatível com a acusação de que ‘Ele só se preocupa com o bem-estar dos judeus’”. Ora, ora, ora… Eu explico, a coisa é muito simples. Acontece que elementos como Daisley apoiam tudo o que “é bom para os judeus”, segundo critério deles. Por isso defendem a imigração massiva de maometanos nas nações brancas. Por outro lado, eles odiariam que paquistaneses, somalis e marroquinos se internassem em Israel. E eles também não iriam tolerar que a Tell MAMA abrisse uma franquia em Telavive. Porque isso não seria “bom para os judeus”. Entretanto, todo o mundo da laia de Daisley pode ficar tranquilo: nada disso vai acontecer. Israel, embora nação altamente corrupta, sabe se defender e não busca sua própria destruição. O Estado Judeu não paga a psicólogos para demonizar a maioria judia. Mas as nações brancas, num contraste total, estão atualmente à procura de sua própria exterminação, as nações brancas pagam, sim, a psicólogos para que demonizem suas maiorias brancas.

O repugnante espírito da maldade branca (de novo)

A putativa judia Amy Krosch é só um exemplo. O mais certamente judeu Sheldon Solomon é outro. Este figuro recentemente apareceu no The Guardian explicando que os brancos sentem “medo da vida” e “medo da morte”, razão por que dariam apoio a Donald Trump e seriam contra “os imigrantes, sobretudo aqueles de religiões diferentes, como maometanos e judeus”. A pesquisa de Solomon revelou que os “cristãos” mais angustiados pela consciência da própria morte “tinham atitude mais positiva em relação a outros cristãos e atitude mais negativa em relação a judeus”.

A sábia punim de Sheldon Solomon

Cristãos malvados! Judeus inocentes! Isso é, no mínimo, o que o Professor Solomon of Skidmore University, quer que pensemos. Acho que ele é um propagandista antibranco, não um cientista imparcial. Milhares e milhares de seus colegas acadêmicos também fazem propaganda antibranca. Tudo isso mostra que a psicologia social não passa de mais uma das numerosas e corruptas disciplinas antibrancas que pululam nas universidades ocidentais. Mas se trata da mais perturbadora disciplina antibranca. Que ninguém tenha dúvida: o que Orwell descreveu no 1984 é o que figuras como Amy Krosch e Sheldon Solomon adorariam fazer. E é o que eles farão, se da nossa parte não houver reação.


Fonte: The Occidental Observer. Autor: Tobias Langdon. Título original: Social Psychology as Anti-Write Pseudoscience. Data de publicação: 29 de novembro de 2019. Versão brasilesa: Chauke Stephan Filho.

Lorsque des auteurs juifs définissent le racisme

  dans Tour d’horizon
Par Andrew JOYCE. En 1964, à l’issue d’un des procès pour obscénité les plus tristement célèbres d’Amérique, le juge Potter Stewart a absous un film français controversé avec une opinion qui est depuis passée dans le langage courant : “Je ne tenterai pas aujourd’hui de définir plus avant le type de matériel qui, à mon avis, est compris dans cette description abrégée ; et peut-être ne pourrais-je jamais réussir à le faire de manière intelligible. Mais je le sais quand je le vois, et le film dont il est question dans cette affaire n’est pas cela”

Rédaction NSP
TRADUIT LIBREMENT PAR BERNARD L’ERMITE

Cet avis a été célébré à l’époque comme une victoire pour la liberté d’expression, et a ouvert la voie à un déluge ultérieur de dégradation culturelle occidentale. Mais ce qui est encore plus important, c’est que, près de 60 ans plus tard, “je le sais quand je le vois” est devenu une philosophie politique à part entière, adoptée et poursuivie par une gauche radicale qui entend restreindre cette même liberté en revendiquant une capacité exclusive et inexplicable à définir le fascisme. C’est le message le plus frappant du récent Irish Antifa Project sans précédent de The Burkean , qui a été conçu pour infiltrer et exposer les prétendus réseaux antifas dans le milieu universitaire et politique irlandais.
À mon avis, la révélation la plus prévisible du Irish Antifa Project a été l’étendue de l’ignorance historique et culturelle des militants profilés. Aucun des individus intellectuellement et professionnellement médiocres exposés par The Burkean’s ne semblait capable d’articuler ce que le fascisme était, ou est supposé être aujourd’hui. Le fascisme semble plutôt avoir été adopté par ces non-entités comme un vague fourre-tout pour tout ce qui touche au capitalisme, au conservatisme, à la religion ou à la tradition. Tout aussi vagues sont les méthodes proposées par ces individus, qui vont de la compilation de bases de données avec les noms de ceux qui sont considérés comme fascistes, à un soutien timide mais indéniable à la violence. À l’exception d’un petit nombre de juifs fanatiques comme Jacob Woolf, étudiant au Trinity College, l’”antifascisme” a manifestement été adopté par la majorité des personnes concernées comme une sorte de vertu tiède signalant un hobby ou un rôle politique, bien qu’ayant un sinistre potentiel.
Malheureusement, les problèmes posés par une gauche radicale “antifasciste” non informée, non responsable et non articulée ne sont pas résolus par le fait que la confusion sur la nature du fascisme est endémique dans l’ensemble de la société. Il y a essentiellement trois traditions lorsqu’il s’agit d’expliquer le fascisme. On peut en trouver une au sein même du fascisme, et elle démontre comment les fascistes qui se définissent eux-mêmes se voient. Ce matériel est en grande partie historique. Une autre tradition se retrouve dans le milieu universitaire traditionnel contemporain et, bien que biaisée, elle est au moins de style académique, sérieuse et relativement complète. L’œuvre du regretté Roger Griffin est peut-être la meilleure disponible en langue anglaise en ce qui concerne cette tradition, et elle s’intéresse aussi largement à l’histoire. La troisième tradition, en revanche, est populaire, très politisée, toujours concernée par la politique contemporaine, et est abrégée au point d’être une caricature gauchiste d’études sérieuses sur le fascisme. Elle est particulièrement problématique parce qu’elle a un énorme pouvoir d’attraction auprès des masses et, bien qu’elle fasse de la propagande pour des politiques extrémistes de son propre genre, elle se présente toujours comme objective et neutre.
Les personnes dont le profil est dressé par The Burkean sont sans aucun doute des disciples de cette dernière tradition, dont un exemple récent est How Fascism Works : La politique de nous et d’eux de Jason Stanley (2018). Stanley, un professeur juif de Yale dont la formation est en langue et en épistémologie et non en histoire ou en politique, n’a pas publié de documents évalués par des pairs sur le fascisme ou l’antifascisme, mais son livre de 2018 a fait sensation parce qu’il représentait une attaque à peine voilée contre l’administration Trump. La même administration a suscité des monographies similaires mal conçues et peu utiles sur le fascisme de Cass Sunstein (Can it Happen Here ?)Madeleine Albright (Fascism : A Warning) et du duo de Harvard Steven Levitsky et Daniel Ziblatt (How Democracies Die). Tous ces individus appartiennent au peuple élu. Simple coïncidence. En fait, depuis la production du Fascism : What it is and How to Fight It de Léon Trotsky (compilé entre 1922 et 1933) et le projet de l’école de Francfort sur la “personnalité autoritaire”, les Juifs ont été à l’avant-garde pour ouvrir la voie culturelle, ainsi que politique, à l’activité antifa. Ils le font en troublant la compréhension du public sur la nature de la politique fasciste, façonnant ainsi “l’antifascisme” comme un véhicule pour miner les nations occidentales. En ce qui concerne le fascisme, ces auteurs « le savent quand ils le voient“, une déclaration que nous sommes tous encouragés à accepter sans poser de questions.

Définitions  flottantes du fascisme

Un thème commun à des livres influents comme celui de Stanley, destinés à connaître un minimum de succès sur le marché de masse des livres de poche grâce à des titres dramatiques et à un marketing acharné, est leur définition incroyablement – et délibérément – vague du fascisme. Ces militants sionistes le savent, bien sûr, mais ils vont de l’avant malgré tout. Stanley, par exemple, excuse les lacunes et les sauts logiques inhérents à son étude douteuse en affirmant que “la généralisation est nécessaire dans le moment présent”. Mais s’il définit le “moment présent” comme fasciste selon sa définition généralisée, n’utilise-t-il pas simplement la généralisation pour excuser la même généralisation ? Cela ne revient-il pas à dire à ses lecteurs “Le moment présent est si manifestement fasciste que nous n’avons vraiment pas besoin de définir le fascisme” ? De telles considérations ne ralentissent pas Stanley une seconde, et ce célèbre professeur de Yale s’éclipse pour prononcer, encore plus mal à propos, “J’ai choisi l’étiquette “fascisme” pour un ultranationalisme d’une certaine sorte”. Quelle sorte ? Quelle est sa définition de l’”ultranationalisme” ? Cela n’a pas d’importance. Ce qui est clair dans des textes comme celui de Stanley, c’est que vous n’êtes pas là pour être encouragé à réfléchir ou à poser des questions, mais pour absorber un discours et accepter un dogme. L’autorité derrière de telles demandes provient principalement du chantage émotionnel – Stanley encaisse sa carte en tant que fils de “survivants de l’Holocauste”, et explique que “mes antécédents familiaux m’ont chargé d’un lourd bagage émotionnel. Mais il m’a aussi, de manière cruciale, préparé à écrire ce livre“. Son manque d’éducation et de lecture dans cette matière est donc apparemment plus que compensé par le fait qu’il en est émotionnellement affligé. C’est vrai.

Jason Stanley : Lutter courageusement contre son bagage émotionnel

Non seulement ces définitions du fascisme par des auteurs juifs sont délibérément inadéquates et fallacieuses, mais elles sont souvent complètement erronées. Dans son premier chapitre “Le passé mythique”, par exemple, Stanley décrit la propagande fasciste comme reposant sur un mélange unique d’évocations du passé mythique, romancé et normalement rural, et que cette même propagande offre un retour futur à cette période idyllique. Il va sans dire que cela offre un moyen extrêmement commode aux activistes de gauche et de confession juive d’attaquer presque tous les véritables conservateurs en tant que fascistes. Mais une telle propagande n’est-elle pas elle-même intrinsèquement fasciste ou même de droite ? Nous pourrions considérer la citation suivante d’un personnage historique bien connu : “La position de l’ouvrier agricole anglais de 1770 à 1780, en ce qui concerne sa nourriture et son logement, ainsi que son respect de soi, ses divertissements, etc. est un idéal jamais plus atteint depuis cette époque”. L’idéologue qui se cache derrière cette citation propose un avenir où la communauté nationale des citoyens jouirait d’une sorte de retour à cette idylle pastorale, remplissant leurs journées de travail productif, de musique et de loisirs (“chasser le matin, pêcher l’après-midi, élever du bétail le soir, critiquer [la littérature] le soir”). C’est vraiment une sacrée vision. Mais le problème est que ces propositions ne sont pas issues des travaux de Sir Oswald Mosley, mais du Capital de Karl Marx et de L’idéologie allemande, et elles ont été un aspect clé de la promotion précoce du communisme. L’idée que le fascisme fait uniquement appel aux notions de “make son pays great again” est un trope peu sophistiqué et, en fin de compte, une arme politique.
La vérité est que la nostalgie politisée et les visions de renaissance nationale sont communes aux idéologies de toutes tendances, et sont inutiles comme outils pour examiner la nature spécifique des véritables manifestations politiques et culturelles du fascisme. La seule exception possible est la théorie très nuancée de Roger Griffin sur l’ultrationalisme palingénétique, qui est corrompue et glosée dans les traitements du sujet par  ces auteurs afin d’incriminer toutes les expressions du mécontentement des Blancs dans la modernité. Les présentations de passés et d’avenirs idéaux sont de toute évidence utilisées par tous les acteurs politiques désireux d’exploiter l’instinct public de rejet du statu quo. Les campagnes de Barack Obama basées sur “l’espoir”, “le changement” et “le progrès“, et celle de Trump “MAGA” (Make America Great Again) ne sont pas sensiblement différentes dans leur style ou leur méthode, la seule dissimilitude significative étant la diabolisation de cette dernière et la présentation fiévreuse et irrationnelle de son éthique comme un symptôme précoce d’une prise de pouvoir fasciste imminente. La préoccupation des anthropologues marxistes culturels de décrire des modes de vie putativement utopiques dans les sociétés primitives peut aussi être clairement perçue comme un appel à “rendre la société à nouveau grande” en démolissant le capitalisme, la famille, etc. L’expression politique la plus ancienne et la plus profonde de la résurrection d’un passé glorieux enraciné dans la terre ne se trouve, bien sûr, même pas du tout dans le fascisme européen, mais dans la quintessence de l’ultranationalisme palingénétique du sionisme, un sujet étrangement jamais abordé par nos auteurs juifs, sans doute à cause d’autres “bagages émotionnels difficiles”.
Des définitions similaires du fascisme, cette fois-ci réfractées à travers une lentille de déchets de la pop-culture gauchiste, peuvent être trouvées dans l’ouvrage de Cass Sunstein intitulé 2018 Can It Happen Here?  L’expertise de Sunstein est ostensiblement juridique, bien que son travail le plus réussi soit apparemment The World According to Star Wars (2016). À une autre époque et dans un autre contexte, quelqu’un comme Sunstein ferait une figure ridicule, de la même manière que les Romains trouvaient hilarant que les gens accroupis dans le taudis qu’était la Judée du 1er siècle se considèrent comme une nation supérieure. Sunstein a façonné sa carrière de professeur à la faculté de droit de l’université de Chicago autour d’efforts tels que l’inauguration d’une “journée de célébration des impôts” et la fin de toute reconnaissance du mariage par le gouvernement. Mais au-delà des livres sur la Guerre des étoiles et des combines bizarres, Sunstein est un individu profondément sinistre. Il est particulièrement préoccupé par les “théories de la conspiration” et a élaboré des suggestions politiques selon lesquelles les gouvernements s’engagent dans “l’infiltration cognitive des groupes extrémistes” en pénétrant “dans les salons de discussion, les réseaux sociaux en ligne, ou même les groupes en espace réel et tentent de saper les théories de la conspiration en faisant douter de leurs prémisses factuelles, de leur logique causale ou de leurs implications pour l’action politique“. En d’autres termes, Sunstein est un contributeur majeur au concept de “crime de lèse-pensée” et un défenseur très en vue du même type d’activités de désinformation et d’infiltration en ligne des forces de l’ordre qui piègent régulièrement les adolescents blancs exubérants et les présentent aux médias comme des terroristes de droite.

Cass Sunstein : “Nous avons besoin d’une infiltration cognitive des groupes extrémistes”

Sunstein a édité et contribué à Can It Happen Here ? avec d’autres auteurs juifs, dont Eric PosnerJack BalkinTyler CowenJack GoldsmithTom Ginsburg, Noah FeldmanJonathan Haidt, Bruce Ackerman, Jon ElsterMartha MinowDavid A. Strauss et  Geoffrey R. Stone. En fait, sur les 17 essais composant le volume, 13 sont écrits par des Juifs. L’un des non-juifs est la femme irlando-américaine de Sunstein, la coqueluche de l’ADL (Note du traducteur: Anti Diffamation League, la principale organisation « antiraciste » américaine et émanation du B’naï B’rith), Samantha Power, et deux sont musulmans. Can It Happen Here ? sous-titré Authoritarianism in America, n’est donc guère plus qu’un exercice de paranoïaque et un exemple flagrant de la manière dont certains juifs invoquent de vagues caricatures du fascisme pour s’attaquer aux structures traditionnelles des nations blanches. Posner, par exemple, cite l’hostilité de Trump envers certains éléments de la presse et le fait que son succès initial s’est produit quelque peu en dehors de la structure bipartite de la politique américaine comme preuves suffisantes d’une menace fasciste. En d’autres termes, les groupes qui dominent la presse et ont des intérêts financiers très importants dans les trajectoires des deux grands partis, considèrent que tout ce qui n’est pas entièrement sous leur contrôle équivaut au fascisme.
Le même modèle alarmiste mais vague est suivi par Levitsky et Ziblatt dans How Democracies Die (2018), qui commence par déclarer que l’autoritarisme a été pour eux une “obsession professionnelle“. Levitsky et Ziblatt ont peur… “On s’inquiète.” Ce qui les inquiète le plus, c’est “l’intimidation de la presse” et le fait que certains politiciens “considèrent leurs rivaux comme des ennemis”. L’atout est terrifiant en raison de ses “nettes tendances autoritaires”. On dit qu’il suit une tradition américaine de “démagogues extrémistes” qui comprend “Henry FordHuey Long, Joseph McCarthy et George Wallace”. L’Amérique a “échoué au test” en élisant Trump en novembre 2016. Comme Sunstein et Posner, Levitsky et Ziblatt sont particulièrement préoccupés par “l’extrême polarisation partisane“, ce qui est une autre façon de dire qu’ils sont très inquiets que les deux principaux partis politiques puissent en fait diverger de manière significative l’un de l’autre et donc courir le risque de s’engager dans une véritable politique. Comme Stanley et Sunstein formulent la même plainte, on peut supposer que la communauté juive est plus à l’aise avec les systèmes bipartites dans lesquels les partis et leurs politiques sont presque indissociables et où il existe un haut niveau de consensus idéologique. Tout ce qui est en dehors de cette zone de confort est du fascisme.

Levitsky et Ziblatt : “Nous sommes effrayés… Nous nous inquiétons.”

Tout aussi terrifiée est Madeleine Albright, dont Le fascisme : Un avertissement (2018) est dérivé d’un livre identique à celui utilisé par Stanley, Sunstein, Levitsky et Ziblatt. Albright ouvre l’édition 2019 de son livre par une nouvelle préface dans laquelle elle se pose en grand-mère bienveillante, écrivant avec détachement et objectivité, affirme-t-elle, dans sa “ferme” en Virginie. Mamie Albright, qui a déclaré un jour que les Serbes étaient “dégoûtants” et qui a estimé qu’affamer un demi-million d’enfants irakiens par le biais des sanctions de l’ONU “valait le coup”, passe maintenant ses journées à s’occuper de ses tomates et à se demander avec beaucoup d’étonnement pourquoi un journaliste l’a récemment qualifiée de “goule guerrière“. En observant la sérénité des conifères qui l’entourent, elle se demande pourquoi l’Amérique multiculturelle semble être “prise à la gorge”. On pourrait penser que Granny Albright pourrait répondre à une telle question en quittant la Virginie rurale et en s’installant dans le cœur multiculturel de l’Amérique. Mais non, de son point de vue sûr et isolé, elle a tout compris. Sa réponse est simple, et n’a rien à voir avec le fait que le multiculturalisme est lui-même une doctrine empoisonnée – le multiculturalisme ne fonctionne pas parce que Donald Trump et le fascisme sont sur le point de faire l’objet d’une prise de contrôle dévastatrice. Mais qu’est-ce que le fascisme ? Cela n’est jamais clair nulle part dans le livre. Albright explique vaguement que le fascisme est une “propagation de tendances anti-démocratiques“. Les “attitudes” fascistes se développent lorsque “l’impression que tout le monde ment se développe”. Le fascisme est “une doctrine de colère et de peur”. [Traduction : “Je suis inquiet. Arrêtez tout.”]
Andrew Rawnsley, journaliste au Guardian, conscient de cette faiblesse flagrante du livre, a interviewé Albright avant d’écrire sa critique : “Je lui suggère que le livre peine à offrir une définition satisfaisante du fascisme. “Définir le fascisme est difficile, répond-elle. Tout d’abord, je ne pense pas que le fascisme soit une idéologie. Je pense que c’est une méthode, c’est un système”. En d’autres termes, le fascisme est une étiquette qui peut être appliquée à tout type de politique qui déstabilise ces « intellectuels » et offre d’authentiques méthodologies politiques alternatives. En refusant de reconnaître le fascisme comme une idéologie politique historique spécifique aux traits identifiables et fixes, Albright et les autres activistes juifs mentionnés ici peuvent le libérer comme un système de simples “méthodes” qui peuvent ensuite être interprétées en termes généraux afin d’attaquer les éléments de la société blanche jugés opposés à leurs intérêts. Le soi-disant antifascisme, qui tire toute sa puissance culturelle de ce type de propagande, n’est donc pas du tout contre le fascisme, mais contre toute “méthode” ou “tendance” qui ne serait pas favorable à leurs intérêts.

Madeleine Albright a écrit un livre sur un sujet qu’elle ne peut pas définir !

Le livre de Stanley est un excellent guide de la paranoïa concernant les “méthodes” évoquées par Albright. Son texte est divisé en chapitres intitulés “Le passé mythique”, “Propagande”, “Anti-intellectuel”, “Réalité”, “Hiérarchie”, “Victime”, “Ordre public”, “Anxiété sexuelle”, “Sodome et Gomorrhe”, et, puisque ces activistes considèrent inévitablement que toute dissidence par rapport à leurs intérêts conduit en fin de compte à des formes de meurtre de masse extravagantes, le dernier chapitre est intitulé “Arbeit Macht Frei“. Chacun de ces chapitres traite de matériel et d’idées entièrement subjectifs, et il n’y a aucun engagement sérieux avec la littérature scientifique sur le fascisme historique.
Comme nous l’avons vu plus haut, “le passé mythique” n’est un problème que pour les juifs comme Stanley lorsque le passé en question ne favorise pas certains objectifs. Des passés multiculturels fictifs où les anciens Britanniques “Cheddar Man” avaient la peau foncée, où les Africains vivaient en Angleterre avant les Anglais et où les Blancs faisaient preuve d’un mal unique, sont actuellement au sommet de la mode intellectuelle et culturelle. Ce sont les versions du “passé mythique” que  ces intellectuels célèbrent et promeuvent. D’autre part, les conceptions du passé comme impliquant des cultures mono-ethniques, des célébrations de la gloire raciale européenne et la reconnaissance des réalisations du groupe blanc sont qualifiées de fascistes et dépassent l’entendement. Dans cette vision antifasciste, les histoires des Européens sont irrémédiablement honteuses et, par conséquent, toute tentative de rendre sa nation “grande à nouveau” est à la fois irrationnelle (“ils n’ont jamais été grands au départ !”) et menaçante. Dans cette lecture, toutes les réflexions positives sur le passé européen font partie de la méthodologie fasciste et doivent donc être impitoyablement combattues. Lorsque des activistes gauchistes comme Stanley et Albright font référence au “passé mythique” dans leurs “mises en garde” contre le fascisme, ils mettent en fait en garde et font honte aux Blancs contre l’affirmation de leurs propres intérêts et de leur fierté de groupe.Le même cadre est utilisé pour discuter de la prétendue propagande et des qualités “anti-intellectuelles” du fascisme. Stanley soutient que les fascistes “attaquent et dévalorisent l’éducation, l’expertise et la langue”. Cet argument est, au mieux, entièrement subjectif et, au pire, complètement absurde. L’idée que les fascistes ont été contre l’intellectualisme en général est tout simplement ridicule. Comme l’écrit John Whittam dans son Italie fasciste :
«Le fascisme n’a pas souffert du manque d’idées, mais de leur trop grand nombre. Malgré leur rhétorique et leur hostilité prononcée envers les intellectuels de l’ancien establishment libéral, les futuristes, les syndicalistes, les ex-socialistes et même les ras professaient une idéologie et avaient invariablement accès à un journal où leurs opinions pouvaient être exprimées. Après la conquête du pouvoir, l’un des problèmes majeurs a été la formulation d’une idéologie à partir de l’éventail ahurissant d’idéologies distinctives au sein du mouvement fasciste».
a déclaration accusatrice de Stanley repose sur le simple fait que les fascistes s’opposent à l’intellectualisme libéral, de gauche et juif. Les activistes juifs comme Stanley croient, bien sûr, que leurs activités intellectuelles sont les seules légitimes et authentiques dans la sphère publique. Une attaque contre leur position est donc considérée comme une attaque contre tout véritable intellectualisme. L’accusation selon laquelle les fascistes sont anti-intellectuels parle donc d’une profonde arrogance de l’accusateur.
Tout aussi révélateurs sont les chapitres de Stanley sur “l’anxiété sexuelle” et “Sodome et Gomorrhe“. Ces chapitres sont plus ou moins une apologie de la dégénérescence sexuelle à la Weimar, et insinuent que toutes les tentatives pour empêcher la descente dans un tel abîme sont pathologiques et fascistes. Un contexte intéressant à cet égard peut être trouvé en 2016, lorsque Stanley s’est retrouvé mêlé à une controverse après qu’un échange sur Facebook avec un collègue universitaire juif lui aussi, Rebecca Kukla, de l’université de Georgetown, ait été largement diffusé. Les deux hommes avaient discuté de Richard Swinburne, un philosophe chrétien orthodoxe, et étaient furieux après que Swinburne s’était adressé à la Société des Philosophes Chrétiens et avit donné une conférence sur l’éthique chrétienne, y compris la position de la religion sur l’homosexualité. Swinburne a fait valoir que l’homosexualité pouvait être comprise comme une maladie, voire une forme de handicap, puisqu’elle allait à l’encontre de l’impératif de reproduction, par ailleurs naturel. Stanley, dans une conversation avec d’autres universitaires juifs, a accusé Swinburne de “promouvoir l’homophobie“, “ouvrant la voie à un autre  holocauste“, puis a terminé sa tirade par “Il faut baiser ces connards”. Sérieusement.” Le charmant Dr. Kukla, vraisemblablement tout aussi engagée dans l’utilisation d’un intellectualisme vigoureux contre l’empiètement fasciste du Prof. Swinburne, a ajouté : “Ces connards peuvent sucer ma bite géante de queer.”

Rebecca Kukla : Une lutte intellectuelle étonnante et courageuse contre les anti-intellectuels fascistes

Lorsque l’échange est devenu viral, Stanley et Kukla se sont tous deux dispersés comme des cafards sous la lumière des torches, se cachant sous des récits de pitié et des accusations d’antisémitisme. Dans une pièce remarquable qui mérite d’être longuement citée ici, Stanley a écrit peu après : «Je voulais aborder la situation qui est née de la série d’articles sur moi, puis sur moi et le professeur Kukla, publiés dans des médias de droite à la suite d’un échange privé sur Facebook et sortis de leur contexte… J’ai presque toujours été la seule personne juive de ma classe en grandissant. Dans mes lycées, en dixième et onzième année, j’ai été le premier juif à fréquenter l’école. Je connais très bien l’isolement qui en résulte, même lorsqu’il n’y a pas de discrimination ouverte (bien qu’on m’ait demandé en grandissant si j’avais des cornes et autres, c’était de l’ignorance et non de la malveillance). Ma principale préoccupation en ce moment concerne nos collègues homosexuels du monde universitaire qui ont regardé cet épisode avec horreur, craignant à juste titre que toute plainte pour discrimination qu’ils pourraient formuler, même dans des espaces privés, n’entraîne le genre de représailles incroyablement intenses dont Rebecca Kukla et moi-même avons fait l’objet au cours de la semaine dernière. Et ces préoccupations seraient légitimes. Je dois terminer par la question de l’antisémitisme. Sur mon poste public, quelqu’un a publié un commentaire troublant sur la mort de Swinburne. J’ai envisagé de le supprimer, mais j’ai voulu attendre de voir si quelqu’un “aimerait” le supprimer avant d’aborder ses horreurs (personne ne l’a fait). Il est difficile d’éviter le soupçon que la discussion médiatique qui a débuté avec l’article du 28 septembre dans The American Conservative, puis dans le Washington Times, est carrément antisémite. Comment un non-récit sur la complexité de la communication qui résulte de la publication de captures d’écran de conversations privées, est-il devenu une histoire nationale sur deux professeurs juifs de gauche et les dangers qu’ils représentent ? Au début, l’histoire ne concernait que moi. Ensuite, l’autre philosophe juive qui a posté sur ce fil de discussion, Rebecca Kukla, a également été visée. Il s’en est suivi un terrible récit antisémite, canalisant une forme virulente d’antisémitisme du XXe siècle. »
Lorsque j’ai lu cet article pour la première fois, je dois avouer sans exagération que j’ai tellement ri que j’avais littéralement le souffle coupé. Il dégouline positivement  comique  stéréotypé. Considérez la rapidité avec laquelle Stanley explique moralement comment il s’est senti “le seul juif de la classe“. Observez la fausse inquiétude de l’”Autre”, en l’occurrence ses “collègues homosexuels”. Et réfléchissez au dernier exemple, vraiment beau, de son recours éhonté à l’étreinte protectrice de l’accusation d’antisémitisme – et pas n’importe quel antisémitisme, mais ce genre “virulent” infâme. Chaque ingrédient de “crier comme ils vous frappent” est ici présent sous une forme parfaitement distillée.
Lorsque nous lisons donc les chapitres de Stanley sur “l’anxiété sexuelle” et “Sodome et Gomorrhe”, nous savons précisément le genre d’attitudes que notre estimé professeur de Yale apporte à la table. Il avance une théorie selon laquelle les fascistes font simplement semblant d’être contrariés par le viol des femmes blanches afin de renforcer le patriarcat. Prenez, par exemple, son affirmation farfelue selon laquelle “le crime de viol est fondamental pour la politique fasciste parce qu’il suscite l’anxiété sexuelle et un besoin connexe de protection de la virilité de la nation par l’autorité fasciste”. Pour Stanley, toute rhétorique visant à soutenir des familles blanches stables et en pleine croissance est fasciste, de même que toute tentative de contester la “libération” des femmes dans la stérilité, la promiscuité, le carriérisme vide, les “grooming gangs” (Note du traducteur: gangs de viol collectif) et l’avortement. Mais le problème plus profond ici est qu’il n’y a pas de littérature sérieuse sur une telle fixation sur le viol au sein du fascisme, et Stanley semble tirer de nulle part son concept du viol comme “base de la politique fasciste”. En réalité, la propagande antifasciste a été remarquée à maintes reprises dans la littérature scientifique pour son recours à des métaphores de viol pour attaquer l’attrait psychologique du fascisme (par exemple “Le fascisme viole l’esprit des masses” 1). On peut assez facilement supposer que Stanley est probablement conscient que son argument est absurde, et qu’il préfère simplement stigmatiser toute tentative de protection des femmes blanches. La même méthodologie est employée lorsque Stanley propose que l’homosexualité et le mélange des races sont intrinsèquement bons, étant des péchés vaillants “contre l’idéologie fasciste”. Et c’est ce qui passe pour une éducation à Yale !
Stanley, Sunstein, Levitsky, Ziblatt et Albright ont produit des exemples assez typiques de propagande politique déguisée en littérature “antifasciste”. Les caractéristiques principales de ces œuvres sont invariablement une définition vague du fascisme, une tentative de relier les “avertissements” à un aspect de la politique contemporaine, des admonestations mélodramatiques sur une future catastrophe violente présumée qui doit être évitée, et des appels larmoyants à l’histoire familiale personnelle et au “bagage émotionnel”. Sous le placage de surface, ces travaux sont des efforts très ciblés visant à pathologiser les aspects de la culture et de la politique blanches jugés contraires aux intérêts communautaires. Ces efforts, et leur encadrement, découlent de toute évidence du marxisme culturel, en particulier du travail d’Adorno avec l’école de Francfort (publié en 1950 par le Jewish American Committee) sur la personnalité autoritaire, et de formes antérieures d’activisme juif dont on a été témoin à partir de la fin du XIXe siècle et qui ont culminé dans l’Allemagne de Weimar (par exemple l’œuvre de Magnus Hirschfeld). La famille, la reconnaissance de l’hétérosexualité comme étant culturellement et biologiquement normative et préférentielle, la désirabilité des cultures mono-ethniques et la reconnaissance de l’inégalité entre les êtres humains sont recadrées dans ce genre de “littérature d’avertissement” comme étant intrinsèquement fascistes.
Il est très inquiétant que notre culture ait légué beaucoup de respect et de légitimité à ces intellectuels, en particulier en ce qui concerne le sujet du fascisme. Nous leur avons permis d’affirmer qu’”ils le savent quand ils le voient“. La crise fondamentale de notre civilisation est qu’ils le voient partout, et ils n’auront de cesse que ce fantôme de leur paranoïa, et nous avec lui, ne soit aboli.


Merci au site The Occidental Observer pour ce partenariat.


  1. Voir, par exemple, S. Chakotin, The Rape of the Masses : La psychologie de la propagande politique totalitaire (1940).

Combate ao racismo: a estratégia do Dr. Andrew Joyce

O que a razão não dá, ela não tira.
(Jonathan Swift)

It is useless to attempt to reason a man out of a thing he was never reasoned into.
(Jonathan Swift)

É realmente triste andar pelas ruas das grandes e médias cidades do Ocidente hoje e perceber as quantiosas plêiades de cientistas, engenheiros e filósofos negros relegados ao abandono pelas brutais autoridades judiciárias de raça branca. A longa e mirífica história dos africanos, verdadeira crônica das maiores conquistas humanas e sociais, repleta como é de gênios da arquitetura e das artes em geral, vê-los agora rebaixados e sob as piores perseguições. Esta é a razão de nossa amarga e duradoura vergonha. Nós sempre tentamos, como todos sabem, impedir que esse nobre povo colhesse os frutos da miríade de seus talentos. Já faz mais de século que nós procuramos obstar a ascensão deles às mais altas esferas de nossa sociedade pelo valor de seu trabalho, ao exigir deles atributo fictício e capcioso (as pretensas “aptidões”), nós fizemos de tudo para evitar que os negros lograssem êxito nos campos da matemática e da física. Mesmo quando eles se engajaram numa conspiração racial a fim de falsear os resultados de avaliações mentais para que parecessem a mais incapaz das raças e assim disfarçassem sua alta competência na escalada social, não nos enganaram com isso. Apesar da manobra, conseguimos barrar o acesso deles ao topo da sociedade. Embora não tenhamos dado o braço a torcer no passado, devemos confessar agora que atalhamos a cada passo a marcha deles no rumo do sucesso. E fizemos isso por egoísmo, intencionados a criar uma numerosa classe de gente dependente de recursos do Estado, com a qual fossem dissipadas as vastas, excessivas e indesejáveis receitas fiscais.

It is truly a melancholy sight to walk through the great cities and towns of the West today and observe the countless corpses of Black scientists, engineers, and philosophers left behind by the brutal White officers of the law. In the long illustrious history of the African, replete as it is with towering artistic and architectural genius, and the most humane social advancements, we see him now at his lowest and most persecuted ebb. This is our bitter and enduring shame. We have, of course, always attempted to render this noble people completely unable to employ their myriad talents. For more than a century we’ve stopped them from working in the higher echelons of our society by requiring of them something entirely invented and fictitious (so-called “aptitudes”), and we have exerted our fiercest efforts in preventing them from gaining footholds in maths and physics. Even when they engaged in a race-wide conspiracy to consistently fake their test scores in order to come out lowest of all groups, we weren’t fooled by their attempt to sneak to the top of our society. Although stubborn in the past, we must confess now that we have blocked their progress at every turn, and we did this for the selfish reason that we always wanted a large, welfare-dependent class into which to dump our vast unwanted excess tax revenue.

Eis por que não se pode compreender a continuação desse verdadeiro mistério que é a infecção do corpo policial pelo vírus do nosso fanatismo branco. Acredito ser voz constante que o primeiro dos negros comparáveis a Jesus Cristo em santidade a sofrer martírio, tombou sob uma chuva de balas ainda a princípio do século XVIII, quando a LAPD [Polícia de Los Angeles] lançou-se insólita e brutalmente à preia de escravos entre os arranha-céus e casas de ópera de Togo e Serra Leoa, lugares plenos de paz até então. Corrobora a veracidade do fato o abalizado testemunho de Herschel Hertzberg, prestigiado precursor dos Estudos Africanos e filho da 17.ª geração de sobreviventes do Holocausto. Sabe-se que esses escravos, dotados de alta competência tecnológica, foram depois empregados nos trabalhos de projetar e construir edificações nos Estados Unidos. Infelizmente, entretanto, a história desses africanos, justamente os responsáveis pela construção dos Estados Unidos, desde aquele triste momento na África Ocidental até esta parte, vem assistindo à constante escalada da violência policial, injustificada e desnecessária, contra essa população de gente tão próspera e pacífica. Na realidade, todos os atuais problemas sociais da nossa deplorável civilização podem ser atribuídos a essa perniciosa situação. A intolerância de gênero, as diferenças salariais e até mesmo o diabetes têm origem na obsessão das forças policiais, que querem porque querem sufocar a respiração dos negros.

Quite why the apex of our White fanaticism distilled in the police force remains, for now, a mystery. I think it is agreed by all parties, and attested by the celebrated African Studies pioneer (and, some say, a 17th-generation Holocaust survivor) Herschel Hertzberg, that the first Christ-like Black fell under a hail of malicious bullets sometime in the early 18th century, when the LAPD launched a daring and brutal raid for slaves among the skyscrapers and opera houses of placid Togo and Sierra Leone. It is a barely suppressed secret that these slaves and their technological prowess were later put to work designing and constructing every building in America. It is a sad fact, however, that even though Africans built America, from that first sorry moment in West Africa to the present, history has witnessed a steady progression of unwarranted and unnecessary police violence against this most peaceful and prosperous population. In fact, all current social problems in our deplorable civilisation can be attributed to this one pernicious reality. Gender bigotry, pay gaps, and even diabetes all have their origins in the fact our police forces have become obsessed with preventing Black people from breathing.

Essa sórdida e mortal fixação da polícia é a questão mais importante de nosso tempo. Aliás, ninguém ainda foi capaz de conceber um método justo, barato e fácil de resolver o problema do persistente e sistêmico racismo policial. Quem o fizesse mereceria a aclamação pública. Pensando nisso, eu agora decidi me arriscar a apresentar a minha modesta proposta nesse sentido. Assim procedo depois de ter voltado os meus pensamentos para essa questão de transcendental relevância durante muitos anos e haver ponderado as soluções indicadas pelos nossos admiráveis especialistas, as quais a mim me pareceram todas falhas. Mais importante ainda, eu examinei cuidadosamente os objetivos aparentes da agitação civil negra para determinar exatamente o que é que esse povo oprimido realmente deseja. Acredito que o meu plano contemplará todas as partes e trará a paz, finalmente.

This sordid and murderous fixation among the police is the major question of our time, and since it strikes me that whoever could find out a fair, cheap, and easy method of solving this matter of unceasing systemic police racism would receive much public acclaim, I now venture my own modest proposal. I do so having turned my thoughts for many years upon this important subject, and maturely weighed the proposed schemes of our esteemed experts — all of which I have found lacking. Most important of all, I have carefully examined the apparent aims of Black civil unrest to determine precisely what it is that this oppressed people really desires. I believe my proposal will satisfy all parties and finally bring peace.

  1. Rejeitar a igualdade perante a lei
  2. Reject Equality Under the Law

O principal tópico do meu esquema e o que traz mais vantagens é que ele, finalmente, visa a libertar os africanos da igualdade intransigente. Uma das grandes fraudes do ordinário europeu foi ter convencido os africanos de que ser igual perante a lei era uma coisa maravilhosa. Ser “igual” era a isca, mas a lei, obviamente, era o anzol. As raízes de nosso histórico conflito racial mergulham, inquestionavelmente, na injusta colocação dos negros sob um sistema legal que exige o enquadramento deles no mesmo padrão de comportamento dos outros grupos. Nesse ardiloso sistema, foi pavimentado o caminho para que os negros viessem a ser considerados “criminosos”, apenas porque, de vez em quando, eles se envolvem em situações corriqueiras de estupro, assalto e assassinato. A inflexível sujeição dos inteligentes afro-americanos e seus irmãos do Canadá, da Europa e da Austrália à igualdade da lei eurocêntrica engendrou injustiças como a sua super-representação nos presídios e a disseminação de fantasiosos estereótipos sobre sua raça, como o de que seriam propensos a comportamentos impulsivos e violentos. Só os mais sábios entre os observadores, aqueles conscientes da paz, da prosperidade da inovação que se tornaram marcas da moderna África, podem perceber que há algo de terrivelmente errado nessa situação.

The foremost aspect of my scheme, and one of its great advantages, is that it finally aims to release the African from the bigotry of equality. It was one of the greatest tricks of the sneaky European to convince the African that being equal under the law was a good thing. Being “equal” was the bait, but the law was quite obviously the hook. The roots of our historical racial conflict are unquestionably that Blacks are unfairly placed under a system of laws in which they are asked to adhere to the same behavioral standards as other groups. This same system craftily paves the way for Blacks to become regarded as “criminals” when they innocently stumble into such commonplace situations as rape, robbery, and murder. The bigoted subjection of the gifted African-Americans (and their counterparts in Canada, Europe, and Australia) to equality under European-derived law has led to such injustices as disproportionate incarceration, and the spreading of fantastical stereotypes of Blacks as prone to violent and impulsive behavior. Only knowledgable observers, aware of the peace, prosperity and innovation that has come to be the byword for modern Africa, can discern that there is something horribly amiss in this situation.

A população negra clama, mas parece que só eu ouvi seu clamor. A primeira medida de meu plano consiste, por isso, em remover o fardo legal que pesa sobre os pretos. Os benefícios imediatos são evidentes. O fenômeno das maldosas “Karens” [mulheres brancas], que chamam a polícia se avistam negros perto delas, por medo de sofrerem alguma violência dos “vadios” ou “suspeitos” à toa na sua vizinhança, isso vai desaparecer nas brumas do passado, esse tipo de desconfiança pertencerá a um capítulo quase apagado da história. Essas mulheres preconceituosas poderão chamar a polícia quando quiserem, mas depois de receber uma rápida descrição do estuprador, a polícia será obrigada a arquivar a denúncia. A lei simplesmente não será mais aplicável às pessoas de origem africana. Evidentemente nenhum dano decorrerá dessa providência tão simples e bonita, senão benefícios em abundância. No sistema como hoje existe, o preto que constranger verbal ou fisicamente uma mulher branca poderá ficar se sentindo vulnerável e rejeitado, se a mulher chamar a polícia em estado de terror. Essa dinâmica é uma das grandes causas da lesão emocional de que o negro é vítima, assim como de outras injustiças sociais que o acabrunham. Sob a nova legislação, entretanto, estupradores negros serão poupados de toda essa indignidade. E a mulher ficará tranquila e serena, sabendo que nenhum incidente que venha a sofrer implicará crime.

The Black population has cried out, and I alone seem to have listened. The first step of my proposal is therefore to remove the burden of law from the Black population. The immediate benefits are obvious. The phenomenon of malicious “Karens” calling the police when they feel intimidated by loitering or advancing Blacks will disappear into history where it belongs. These bigoted women can call the police all they want, but upon receiving an elementary description of the stalker, the police would be forced to hang up. The law will simply not apply to those of African origin. It should be obvious that no harm will come from such a simple and beautiful measure, and only benefits can abound. Under the existing system, Black men who corner and verbally or physically intimidate White women can be made to feel vulnerable and alienated when that woman calls the police in sheer terror. This dynamic is obviously a major driver of Black emotional damage, and other forms of social injustice. Under the new arrangement, however, Black stalkers would be spared such indignities, and the woman would be secure in the knowledge that no matter what happens to her thereafter, at least no crime will be committed.

  1. Compensação adequada
  2. Adequate Compensation

Um problema muito comum ocorre durante o trabalho da polícia, quando qualquer policial, acidental e fatalmente, pode ferir um afro-americano, ao tentar conter o comportamento de brancos descontrolados. Quanto a isso, a análise criteriosa que fiz das demandas dos negros leva-me a aconselhar a adoção de um esquema de compensação material e social pelas vidas negras. Vidas negras importam — nós sabemos disso, mas elas importam em quanto? Apenas quando a atual fase dos mansos protestos terminar, nós teremos um orçamento mais aproximado, mas em linhas gerais a compensação pode ser estimada pelo que importou a vida de São George Floyd. Com base numa combinação de avaliações e números já confirmados na cidade [Nova Iorque], a vida de um negro, ceifada pelas mãos de um branco, reverte num custo de 1.569 pares de tênis, 2962 garrafas de bebidas alcoólicas, aproximadamente 865 telefones e tabuletes de topo de linha, cerca de US$ 2 milhões em roupas de grife, 40 brancos severamente espancados, todo o estoque de várias mercearias de baixo custo e 100 prédios consumidos pelo fogo.

A potential problem might arise in the event that a police officer accidentally but fatally harms an African-American during the course of his duties policing the uncontrollable behavior of Whites. In this regard, my careful analysis of recent Black demands leads me to suggest a scheme of social and material compensation for Black lives. Black Lives Matter — we know this, but how muchdo they matter? Only once the current phase of peaceful protest comes to a conclusion will we know the true tally, but rough guidelines can be discerned in the compensation thus far acquired for the life of St. George of Floyd. Using a combination of estimates and confirmed city figures, the average African-American death at the hands of a White amounts to around 1,569 pairs of athletic shoes, 2,962 gallons of alcoholic beverages, approximately 865 high-end phones and tablets, around $2 million in designer label clothing, between 30–50 badly beaten Whites, the entire contents of several low-cost supermarkets, and somewhere in the region of 100 fully incinerated buildings.

Os quebra-quebras de Londres, em 2011: sabe-se de longa data que calçados esportivos apresentam propriedades terapêuticas para males emocionais de africanos. London Riots, 2011: Sports footwear has long demonstrated emotional healing properties for the African.

Na minha proposta, e a bem da justiça social e da harmonia no futuro, uma reserva de equipamentos compensatórios deve ser mantida pelas prefeituras municipais para o caso da morte acidental de um preto. Uma área adequada na cidade, com seis ou sete quadras, estaria preparada para recepcionar os negros emocionalmente abalados, de sorte que prontamente eles pudessem aliviar sua angústia mental, entregando-se a atividades derivativas como, por exemplo, assaltar uma loja abarrotada de tênis coloridos, ou alguns supermercados falsos da Target, no interior dos quais atores adrede contratados representariam os brancos em fuga desesperada durante a invasão. Escolas de tiro locais também podem ser chamadas a cumprir função terapêutica: o quebrar de vidros à bala e o som dos disparos teriam efeito tranquilizante sobre os homens de ébano. Tendo ao seu dispor tão edificantes provisões, o povo negro não apenas daria mostra de sua maturidade e proverbial sabedoria como ainda serviria de grande exemplo para outros grupos sobre a forma como devem reagir quando se sentirem lesados.

Under my proposal, and for the sake of future social justice and harmony, a reserve of compensatory items must be held in the care of every city government, where they can be dispensed in the event of an accidental Black fatality. A suitable area within the city, comprising roughly of six or seven blocks, should be set aside in such fashion that emotionally-attacked Africans can, at a moment’s notice, assuage their mental anguish by, for example, breaking into a pre-prepared warehouse full of well-displayed sports footwear, and launching cathartic raids on faux Target supermarkets replete with actors portraying fleeing staff. Local shooting ranges might also be converted to offer the therapeutic breaking of glass to Black citizens. Through their use of such edifying provisions, Black people can not only display their maturity and ancient wisdom, but also set a stellar example to other groups about how people should react when they feel aggrieved.

  1. Mudança simbólica
  2. Symbolic Change

O simples romper dos grilhões da lei libertaria o negro e, além disso, dotá-lo com as ferramentas curativas do caos seria mais do que suficiente para sanar a multimilenar opressão a que submetemos esses filhos do Sol. Qualquer observador racional conviria em que a melhor forma de superar divisões raciais consiste em induzir ou forçar alguém a beijar o pé do outro. Somente mediante demonstrações de acolhimento e deferência desse tipo poderemos alcançar a verdadeira paridade nas relações sociais. Uma iniciativa recentemente muito explorada pela mídia, das mais enternecedoras, é a remoção de estátuas por todo o país, especialmente aquelas do delegado de polícia Robert E. Lee. Somando-se ao efeito dos acessórios da Gucci devidamente expropriados, isso minoraria ainda mais a dor do negro, mas restaria o problema do que colocar nos plintos vazios. Minha sugestão? Que em nome da abolição do racismo sistêmico todo plinto que antes servia para a exaltação de terroristas da raça branca receba agora a gigantesca escultura de um pé preto. Este pé preto marcaria um local cerimonial de genuflexão. Especialmente os cidadãos brancos de mais alta posição social seriam levados até ali para beijar o pé, em gesto solene de reconciliação racial. Proceder-se-ia a tal cerimônia em algum dos muitos dias e meses dedicados à população de ébano, principalmente no dia de São George Floyd. Este é um feriado a ser instituído com a máxima celeridade.

Simply freeing Blacks from the law and providing them with the healing tools of chaos is, of course, far from sufficient to redress the many thousands of years of oppression that we have brought upon these children of the sun. It should be obvious to any sane observer that the best way to heal racial divisions is to encourage, and even force, one of the opposing parties to kiss the feet of the other. Only by such open displays of subservience and submission can we achieve true parity in social relations. A recent, and related, heartwarming development has been the removal of statues throughout the country, especially those of the notorious police officer Robert E. Lee. Along with righteously purloined Gucci accessories, this will go some way towards further soothing Black pain, but the question remains as to what might occupy the newly vacant plinths. My suggestion? That in the name of ending systemic racism, every plinth formerly used to commemorate White race-terrorists should be home now to a giant sculpture of a black foot. This black foot can then be ceremonially kneeled before, and White citizens of especially high standing can be made to approach and kiss the foot in an act of solemn racial reconciliation. This ceremony could be performed on one of the many days and months now dedicated to the Black population, especially on St. George Floyd Day which should surely now be instituted without delay.

Concepção artística do que em breve será conhecido como o “método joyciano” de harmonização social. An artist’s impression of what might soon be called the “Joycean Method” for social harmony.

  1. Proibir o contato físico no trabalho policial
  2. End of all Physical Contact Policing

Este aspecto de meu modesto plano não guarda relação direta com o combate ao racismo sistêmico, mas consiste em passo essencial no processo de melhoramento do ambiente social a fim de tornar mais segura a participação de militantes brancos nos protestos em defesa das vítimas negras. Recentemente as redes sociais prestaram grande serviço, ficando até parecidas com os gansos do patê, superalimentadas que foram com elucidativos vídeos mostrando policiais tocando, segurando, removendo ou empurrando manifestantes pacíficos, ou seja, constrangendo-os. Essas agressões sem razão normalmente ocorreram em meio a procedimentos de cura emocional do negro, tais como o incêndio, o saque, o vandalismo de massa e tentativas de romper a defesa dos serviços de segurança para assaltar a Casa Branca. Embora as medidas propostas aqui possam tirar o fardo da lei da cacunda do negro, os aliados brancos poderão ainda sofrer constrangimento por parte da polícia, na sua militância pela aliança da paz. O que não se pode mais tolerar numa sociedade racional e justa. Providências hão de ser tomadas com urgência para impedir todo contato físico entre policiais e putativos “criminosos”. Agora a interação entre as partes deve ter por base um dos princípios mais importantes de nosso tempo: o consentimento. Os agentes da polícia obrigar-se-ão a perguntar a todos os suspeitos se eles lhes dão permissão para tocar, segurar ou detê-los. E durante a fase de seu treinamento, os policiais serão instruídos para aprender que “Não significa não!”.

This aspect of my modest proposal isn’t directly linked to ending systemic racism, but it is an essential step in improving the social environment and making it safer for White allies to protest on behalf of Black victims. Social media has recently been awash with horrific footage of police officers touching, holding, and even moving or pushing peaceful protesters. These unprovoked assaults normally occurred in the midst of efforts at Black emotional healing, such as arson, looting, mass vandalism, and attempts to breach Secret Service barricades and encroach on the White House. While the measures proposed here would remove Black people from the burden of laws, White allies may still find themselves being physically touched by police while in the course of peaceful allyship. This can no longer be tolerated in a sane and just society. Moves must urgently be taken to end all unwanted physical contact between police officers and suspected “criminals,” with interaction between parties now based on one of the key precepts of our times: consent. Police officers can and should ask all suspects if they have permission to touch, hold, or restrain them, and they must be instructed during training that “No means No.”

  1. Combater o capitalismo
  2. Confront Capitalism

O êxito na implementação das propostas delineadas acima dependerá, é claro, do nosso sucesso na luta contra o capitalismo. Felizmente os negros, enquanto agentes revolucionários da luta de classes, contam com o apoio de algumas das maiores potências do mundo do trabalho como, por exemplo, a Amazon, a Apple, a Coca-Cola, a Ford, Facebook, LEGO, Sony, Microsoft, Citigroup, Nike, You Tube… incluindo a maioria dos bancos, da indústria do entretenimento e a quase totalidade do estabilismo político. Pela simples enumeração desses nossos bravos aliados poderemos sempre manter a esperança de que haveremos de vencer e derrubar a estrutura do poder. Não podemos deixar de mencionar, obviamente, o contributo também vital de nossos companheiros antifas, que lançaram pioneiramente algumas das estratégias aqui preconizadas, as quais, com certeza, levarão ao colapso o estabilismo. Haja vista, por exemplo, o efeito bastante positivo da destruição da pouca infraestrutura econômica construída por negros em muitas cidades, como também a depredação das principais lojas onde colaboradores negros de mais baixa qualificação podiam conseguir trabalho. É claro que as grandes empresas têm seguro, e seus danos serão ressarcidos sem maiores problemas. Mas seus dirigentes podem decidir não reabrir os negócios na mesma região “perigosa”, e assim eles levarão seus repugnantes empregos capitalistas e instalações para outros lugares, deixando os afro-americanos desempregados, longe das lojas e serviços locais. Então, finalmente, os negros estarão livres para tomar banho de sol. Isso tudo decorreu de lampejos geniais do movimento antifa, motivo de sua aprovação e do apoio que recebeu daquelas corporações negrófilas. Tais empresas são simplesmente imprescindíveis para a causa da harmonia social e da derrubada do capitalismo.

All progress on the proposals outlined above will, of course, depend on a successful confrontation  with capitalism. Thankfully, Blacks as revolutionary subjects of the class struggle have thus far been supported by the power of labor, in the form of Amazon, Apple, Coca-Cola, Ford, Facebook, LEGO, Sony, Microsoft, Citigroup, Nike, YouTube, most banks, the entertainment industry, and the overwhelming majority of the political establishment. Only by enlisting the support of brave allies like these can we ever hope to overcome The Man and topple the power structure. We obviously can’t ignore the equally vital contribution of our friends in Antifa, who innovated some of the early strategies that will undoubtedly lead to the collapse of the status quo. Consider, for example, the effectiveness of destroying the few examples of Black-built economic infrastructure in many towns and cities, along with the major stores that provided low-skill employment to the Black demographic. Sure, the major companies will have adequate insurance for all their liabilities, and probably won’t be harmed at all. But they may well decide that these areas are now too high-risk to attempt a re-opening, and so they’ll take their filthy capitalist jobs and facilities elsewhere, leaving Blacks to bask at last in freedom from local services, retail stores, and gainful employment. This was quite the stroke of genius from Antifa, and is one of the main reasons they’ve been applauded and supported by the groups listed above. They are simply indispensable to the cause of social harmony and the overthrow of capitalism.

  1. A clareza da mensagem
  2. Clarity of Message

Uma questão que me tem preocupado nos últimos dias é a da falta de clareza na expressão “Black lives matter”. Não é de hoje o renome dos africanos pelo proverbial respeito que devotam à santidade da vida de seus vizinhos, o que se comprova pelas baixas taxas de homicídio no seio de suas comunidades. Isto pode ser observado no fenômeno parasitário conhecido como “White flight” [Revoada branca], quando brancos trocam seus bairros por outros de maioria negra, esperando desfrutar da quietude e segurança desses lugares. Algumas dúvidas, entretanto, permanecem entre os brancos quanto à clareza e ao alcance da mensagem “Black lives matter”.

A particular concern of mine in recent days has been the lack of clarity surrounding the name “Black Lives Matter.” Africans have long been renowned for their high regard for the sanctity of the lives of their neighbors, something attested to by the famously low homicide rates within their communities. We see this also in the parasitical phenomenon of “White flight,” whereby Whites constantly seek to move to Black-dominant areas to share in the quietude and safety offered by those locations. Some doubts remain, however, as to the clarity and reach of the message of Black Lives Matter among Whites.

Isso fica claro assim? Infelizmente, não. Is this clear enough? Unfortunately not.

Embora algumas ruas de Washington (D.C.) tenham sido redenominadas de “Black Lives Matter”, havendo esse lema sido até pintado no asfalto, parece evidente que em muitos lugares nem todos já entenderam que vidas negras importam. Decerto muitos ainda não ouviram falar desse eslógão. Sabemos disso porque os pretos continuam a morrer assassinados, e a única explicação é que os brancos, especialmente a polícia, não receberam a mensagem, por isso não dão valor à vida de um preto. Não seria o caso de reiterar aqui, mas mesmo quando um afro-americano protesta pacificamente contra o racismo e subitamente parte para cima de um policial, tentando desarmá-lo, nessa hora, mais do que nunca, o pensamento na cabeça do policial deve ser “Black lives matter!”. Este deve ser o princípio superior a ser adotado urgentemente no treinamento para a aplicação da lei nas ruas. E todas as técnicas de autodefesa nas academias de polícia devem ser adaptadas no sentido de incorporarem a postura da genuflexão. Apenas pela total aceitação dos assaltos físicos lançados pelos mal denominados “criminosos” negros as nossas comunidades poderão encontrar a paz e a segurança. Como minha contribuição para a consecução desse fim, compus e registrei (para garantia de meus direitos autorais) o poemeto seguinte, a ser pronunciado pelos policiais em estado de ansiedade, quando em presença de manifestantes mais radicalizados em seu pacifismo:

O pé de cabra para a porta,
O cacete, a faca, o pistolim…
Tudo isso o negro porta.

Mas nada disso importa.
A vida negra, isto sim,
É só o que importa!  ©

Although streets in Washington D.C. have been renamed “Black Lives Matter,” and then literally covered with the slogan, it’s clear that someone, somewhere doesn’t understand that Black lives matter. They may not have heard the slogan. We know this because Black people continue to die in homicides, and the only explanation is that White people, and especially the police, haven’t received the message and therefore don’t value Black lives. It really shouldn’t need to be repeated here, but even when an African-American is peacefully protesting against the systemic racism of a police officer by passively rushing him and attempting to take his gun, the first thought in that officer’s head should always be: “Black Lives Matter.” It urgently needs to be made the first principle in all law enforcement training, and all self-defense methodologies at police academies should be adapted to include the “take the knee” posture. Only by total acquiescence to the physical assaults of so-called Black “criminals” can our communities find peace and security. To this end I’ve developed and copyrighted a short mantra that could be repeated by anxious police officers confronted by extremely peaceful protesters:

Forget the guns, Forget the knives,
What matters most are
Black Lives!©

  1. Liquidar Trump !
  2. Dump Trump

Este é um dos mais controversos aspectos da estratégia que proponho, mas tenham paciência comigo, por favor. Primeiramente, devemos reconhecer que o presidente Trump conseguiu, sozinho, criar belos empregos para os negros desde que tomou posse, baixando bastante o desemprego negro, mediante, aliás, a contribuição do pacífico e bem-amado Estado Judeu.

This is one of the more controversial aspects of my proposal, but please bear with me. First, we have to acknowledge the fact that President Trump has single-handedly lowered Black unemployment since taking office by creating beautiful jobs, often in marketing the peaceful and much-loved State of Israel.

Melhores empregos para os negros: melhor imagem multicultural e africanófila para Israel. Towards Meaningful Black Employment: Marketing the Diverse, African-Loving Sate of Israel.

Recentemente, Trump também tomou a iniciativa inusitada de proclamar junho o mês da música afro-americana. A música negra importa. Em meio à crise sanitária global medonha, à crise econômica e à escalada do racismo sistêmico, Trump não deixou de manifestar nossa gratidão a Sam Cooke, Little Richard, Ray Charles e outros a quem devemos os famosos “acordes de fundo, os hinos memoráveis, as batidas contagiantes”. Somos gratos também pelas recentes reformas do sistema judiciário, as quais livraram da prisão muitos “criminosos” negros.

Trump also recently took the unprecedented step of proclaiming June to be African-American Music Appreciation Month. Trump’s message: Black Music Matters. In the middle of a worldwide health scare, an economic crisis, and escalating systemic racism, we should concede that Trump offered thanks to Sam Cooke, Little Richard, Ray Charles and others for their “classic guitar riffs, memorable hymns and uplifting beats.” We also can’t forget the recent justice system reforms that released many Black “criminals” from prisons.

Não obstante, Trump não é amigo dos afro-americanos. Por várias vezes ele mobilizou a Guarda Nacional contra pacatos manifestantes afro-americanos por todo o país e externou o horror e o desgosto que sente pela necessidade perfeitamente natural no negro de encontrar consolo na expropriação de televisores e sapatos novos. Isso não deve ser esquecido nunca e prova o que judeus e antifas sempre disseram de Trump: “Orange man bad!” [N. do T.: trata-se de uma paródia: os críticos de Trump só seriam capazes de formular esse tipo de frase primária, como se fossem trogloditas expressando-se por sugestão da mídia: “Homem-laranja mau!” (referência a Trump)]. Claro que sempre devíamos ter sabido disso. Não podemos alegar inocência agora.

Todas as marcas do fascismo estavam à vista:

  1. a) oposição aberta ao casamento com judeus, especialmente na própria família;
  2. b) persistente hostilidade para com Israel, nosso maior aliado no Oriente Médio e farol dos direitos humanos;
  3. c) hostilidade obstinada contra os dogmas do legebetismo em todo o mundo;
  4. d) o lançamento de campanhas mundiais em favor do antissemitismo;
  5. e) supressão total dos antifas, nossos maiores aliados na guerra contra o capitalismo;
  6. f) apoio explícito ao ativismo branco;
  7. g) reiterada oposição pública ao multiculturalismo e à diversidade;
  8. h) oposição à imigração de milhares de trabalhadores sempre altamente qualificados.

Nós estivemos sonambulando na segunda vinda de Hitler. Precisamos desesperadamente remover esse homem-laranja mau da presidência.

Trump, however, is not a friend of African-Americans. He repeatedly called for the National Guard to be deployed against peaceful African-American protests throughout the country, and expressed horror and disgust at the perfectly natural need for Blacks to find solace in Smart TVs and several new pairs of shoes. This should never be forgotten, and it has proven what Jewish and Antifa allies have often asserted: Orange Man Bad. We should, of course, always have known this. We can’t plead innocence now.

All the hallmarks of Fascism were there to see:

  • Open opposition to intermarriage with Jews, especially in his own family
  • Repeated hostility toward Israel, our greatest in the Middle East and a beacon of human rights
  • Unwavering hostility toward LGBT+ dogma around the world
  • The launching of a worldwide campaign to promote anti-Semitism
  • Total suppression of Antifa, our greatest friends in the war against capitalism
  • Open support of pro-White activity
  • Repeated public opposition to multiculturalism and diversity
  • Opposition to all forms of immigration including hundreds of thousands of “skilled” foreign workers

We sleepwalked into the second coming of Hitler. We desperately need to get this man out of office.

  1. A exceção dos judeus
  2. Jewish Exemption

Deve ser universalmente reconhecido que os judeus não são brancos e, por isso, devem estar isentos das obrigações que reservo à comunidade branca. Os judeus têm uma longa e bem documentada história de amizade com a comunidade negra. Seus antigos textos já revelavam de forma muito amorosa a maldição que pesava sobre os negros. Os filhos de Sião também experimentaram trazer enorme número de empresários africanos com que tinham negócios para o Novo Mundo, sob a condição apenas aparente de “escravos”, um artifício para enganar os opressores brancos. Ainda hoje esses liames continuam fortes. O que seria dos pretos se não fossem os senhorios, lojistas e agiotas judeus, criadores do que há de melhor no mundo negro? Mesmo em Israel os negros têm suas necessidades satisfeitas sem ser preciso protocolar nenhum requerimento. Considere-se, por exemplo, quão escrupuloso não foi o governo judeu quando tomou a iniciativa de esterilizar imigrantes etíopes sem a burocracia de informar os “pacientes” do procedimento. Nenhum outro governo mostrar-se-ia tão zeloso da saúde reprodutiva de sua população negra. E, durante os tranquilos protestos da semana passada, pudemos notar a grande presença de judeus entre os antifas que trabalhavam pela paz, sempre estimulando os negros a tomar do racista branco o que lhes é de direito.

It should be universally acknowledged that Jews aren’t White and should therefore be exempt from the obligations suggested for the White community. Jews have a long and storied history as friends of the Black community, from their ancient texts that lovingly jested that Blacks were cursed, to their attempts to bring huge numbers of their African entrepreneurial trade partners to the New World (under the guise of “slaves” to dupe the White oppressors). Even today these bonds remain strong. Where would Black people be today if it were not for the Jewish landlords, store owners, and pawn brokers that shape the very best of the world they live in. Even in Israel, African needs are met without even a request needing to be made. Just consider, for a moment, the thoughtfulness of an Israeli government that took the initiative to inject Ethiopian immigrants with birth control without troubling to ask. No other government would take such concern in the reproductive health of its Black population. And during the peaceful protests of the last week, we can be sure that Jewish allies were strongly represented among the Antifa peace brokers, urging Blacks again and again to take their rightful share from the bigoted Whites.

Aliados naturais. Natural Allies.

  1. Segregar os brancos problemáticos
  2. Segregation of Problematic Whites

Provavelmente este é o componente mais duro e mais radical de minha estratégia, o que mais furiosamente deverá ser contestado pelos racistas. A mim me parece claro que alguns elementos da população branca simplesmente não aceitarão nunca as propostas que faço aqui. Eles desejarão permanecer na sua intolerância irracional. Eles nunca concordarão em cumprir a parte deles para eliminar o racismo sistêmico. A certa altura, eu argumento, nós teremos de aceitar isso e deixar que eles afundem na decadência inevitável de sua civilização. Basta examinar o passado da Europa para notar a degradação do europeu, quando afastado da dinamizante influência africana.

This is probably the harshest and most radical of my proposals, and the one most likely to be fiercely contested by racists. It seems clear to me that some elements of the White population will simply never accept the proposals made here, and wish to irrationally remain in their bigotry. They will never agree to do their part to end systemic racism. At a certain point, I argue, we will have to accept that, and leave them to wallow in the decrepitude that their civilization is certain to decline to. One only needs to look at the European past to see the degraded state of the European without African influence.

Cenas do caos reinante numa primitiva favela da Europa medieval. Chaotic and disorderly scenes in a primitive medieval European shanty town.

Se as vidas negras não têm importância para os brancos, então as vidas brancas não terão importância para os negros. Aos racistas deve ser dada vasta extensão de terra, onde serão forçados a viver na dependência apenas de si mesmos. A consequência disso será o caos inevitável, porque desta vez os brancos não teriam os negros para construir a infraestrutura de todo o país para eles. O leitor deve imaginar o horror dos brancos ao saberem que serão condenados a viver sem os benefícios do multiculturalismo. Será o inferno na Terra, mas inferno merecido.

Quanto a nós outros, paladinos da fraternidade universal, o fim do racismo sistêmico será prenúncio de novo tempo repleto de paz, harmonia, felicidade e boa vontade.

If Black lives don’t matter to these people then we will be forced to say that their lives don’t matter to us. They should be apportioned a vast tract of land in which they would be forced to live with one another, attempting in the inevitable chaos to build their own infrastructure — this time without Blacks building their entire country. You can already imagine their horror at the news that they would be condemned to an existence without the beneficent hand of multiculturalism. It will be a Hell on earth, but they will deserve it. For the rest of us, the end of systemic racism will usher in an age of beauty and peace, harmony and good will.


Fonte: The Occidental Observer. Autor: Andrew Joyce. Título original: A Modest Proposal to End Systemic Racism. Data de publicação: 8 de junho de 2020. Versão brasilesa: Chauke Stephan Filho.

 

INDIVIDUALISMO E TRADIZIONE PROGRESSISTA OCCIDENTALE: INDICE DEI CAPITOLI

INDIVIDUALISMO E
TRADIZIONE PROGRESSISTA OCCIDENTALE.
Origini evolutive, storia e prospettive future.
traduzione italiana di Marco Marchetti

INDICE DEI CAPITOLI

 

PREFAZIONE.

 

  1. RICERCHE RECENTI SULLA GENETICA DELLE POPLAZIONI.

Tre distinti movimenti di popolazioni nell’Europa preistorica.

Percentuali della mescolanza di CROc, AA e IE.

La Cultura del Vasellame Bucherellato delle coste scandinave.

Ulteriori prove della variazione clinale nord-sud per i geni dei CROc e degli AA.

Selezione dell’abilità cognitiva generale e dei tratti fisici.

Differenze nella mappa genetica dell’Europa contemporanea.

Dati relativi ai cromosomi sessuali.

Conclusione.

Note al cap. 1

 

  1. IL RETAGGIO CULTURALE INDOEUROPEO: L’INDIVIDUALISMO ARISTOCRATICO.

Cultura indoeuropea.

Progressi tecnologici.

L’addomesticazione del cavallo.

Carri sofisticati.

La rivoluzione dei prodotti derivati.

Pratiche socio-culturali.

La cultura militarizzata degli IE.

La reciprocità come caratteristica della cultura IE.

La demolizione dei vincoli di parentela.

Le ricompense per il successo militare.

L’indoeuropeismo come cultura individualista e di libero mercato.

Sippe e Männerbünde.

L’individualismo aristocratico nell’antica Grecia.

L’individualismo aristocratico tra i popoli germanici dopo la caduta dell’Impero d’Occidente. Qual era il grado di omogeneità etnica dei gruppi germanici nell’Europa della Tarda Antichità e dell’Alto Medioevo?

Conclusione.

Note al cap. 2.

 

APPENDICE AL CAPITOLO 2: LA CULTURA ROMANA: MILITARIZZAZIONE, GOVERNO

ARISTOCRATICO E APERTURA VERSO I POPOLI CONQUISTATI.

Le radici indoeuropee della civiltà romana: l’ethos militare della Roma repubblicana.

La famiglia romana.

La religione pubblica romana.

Il governo aristocratico e non dispotico di Roma.

L’apertura della società romana: mobilità sociale e incorporazione di popoli diversi.

Mobilità ascendente dei plebei.

Mobilità sociale ascendente dei popoli assimilati.

Conclusione: Roma, una strategia evolutiva di gruppo fallimentare.

Note all’Appendice al cap. 2.

 

  1. IL RETAGGIO CULTURALE DEI CACCIATORI-RACCOGLITORI OCCIDENTALI IN

EUROPA: L’INDIVIDUALISMO EGUALITARIO.

L’egualitarismo come componente riconoscibile della cultura occidentale.

La tesi ecologica sull’individualismo dei CR.

La complessità sociale dei CR nordeuropei.

L’egualitarismo come tratto fondamentale dei CR settentrionali.

L’esogamia come caratteristica del matrimonio occidentale.

L’amore come elemento centrale del matrimonio occidentale.

Differenze psicologiche tra le popolazioni WEIRD e le altre.

Scambio sociale e punizione altruistica.

Altre tendenze psicologiche delle popolazioni WEIRD.

Ragionamento morale.

Differenze cognitive.

Conclusione.

Note al cap. 3.

 

  1. LE BASI FAMILIARI DELL’INDIVIDUALISMO EUROPEO.

Il matrimonio nell’Europa occidentale: alcune differenze fondamentali.

Dati descrittivi sui modelli di famiglia nell’Europa nordoccidentale e in quella meridionale. Caratteristiche del sistema familiare moderatamente individualista dell’Europa  nordoccidentale.

Datare le origini della famiglia individualista.

Svantaggi della famiglia individualista.

Influenze contestuali proposte come cause dell’individualismo moderato.

Il collettivismo moderato dell’Europa meridionale contrapposto all’individualismo moderato dell’Europa nordoccidentale.

Tendenze egualitarie nell’Europa nordoccidentale.

Le aree non feudalizzate dell’Europa nordoccidentale.

Parentela germanica e parentela irlandese.

Parentela germanica.

La parentela irlandese.

L’argomento etnico.

L’individualismo estremo a sostegno statale della Scandinavia.

Conclusioni.

Note al cap. 4.

 

  1. LA CHIESA NELLA STORIA EUROPEA.

Processo implicito ed esplicito: come l’ideologia motiva il comportamento.

Ideologia e controllo sociale a sostegno della monogamia nell’Europa occidentale.

La rivoluzione papale: la creazione dell’immagine della Chiesa come istituzione altruista.

La rivoluzione papale: il potere della Chiesa sulle élite secolari.

Il collettivismo ecclesiastico medievale.

Controllo sociale e ideologia per il mantenimento della monogamia socialmente imposta.

Il controllo del comportamento sessuale nel Medioevo e oltre.

Ideologie a sostegno della monogamia.

Conclusione.

Effetti della monogamia.

La monogamia come precondizione al profilo demografico “a bassa pressione” dell’Europa e alla rivoluzione industriale.

Monogamia e investimento nella prole.

Il cristianesimo in contrapposizione all’antico ordine sociale aristocratico greco-romano.

Il cristianesimo nell’Europa post-romana.

La Chiesa alla ricerca del potere.

L’ideologia dell’egualitarismo morale come strumento di espansione del potere ecclesiastico.

La politica ecclesiastica di contrasto al potere dei gruppi di parentela estesa.

Il sostegno ecclesiastico alla diversificazione dei centri di potere.

Il cristianesimo e la tradizione razionale dell’Occidente.

Il dibattito tra realismo e nominalismo.

Il cristianesimo e l’Europa post-medievale.

Conclusione: la Chiesa facilitò l’individualismo occidentale, ma non ne fu la causa.

Note al cap. 5.

 

  1. IL PURITANESIMO:     L’ASCESA     DELL’INDIVIDUALISMO EGUALITARIO      E

DELL’UTOPISMO MORALE.

Il puritanesimo come strategia evolutiva di gruppo.

La strategia di gruppo di Giovanni Calvino.

Il puritanesimo nel New England.

Le famiglie puritane.

Pratiche educative per i bambini.

Intelligenza e importanza dell’educazione.

I nomi puritani come indicatori di appartenenza al gruppo.

Il controllo comunitario del comportamento individuale: il collettivismo puritano.

Il puritanesimo fu una strategia evolutiva di un gruppo chiuso?

Il deterioramento dei confini del gruppo puritano.

La rivoluzione puritana in Inghilterra.

La rivoluzione puritana negli Stati Uniti.

Le tendenze intellettuali del XIX secolo di ispirazione puritana come versioni secolari dell’utopismo morale.

Il trascendentalismo come movimento di intellettuali di origine puritana.

Trascendentalisti famosi.

Orestes Brownson (1803-1876).

George Ripley (1802-1880).

Amos Bronson Alcott (1799-1888).

Ralph Waldo Emerson (1803-1882).

Theodore Parker (1810-1860).

William Henry Channing (1810-1884).

L’attivismo trascendentalista in nome della giustizia sociale.

Il trascendentalismo: un riepilogo.

La difficile associazione tra individualismo e identità etnica anglosassone nel XIX secolo.

Interesse personale e ideologia progressista.

Altre correnti intellettuali progressiste del XIX secolo.

Anarchismo libertario.

Il protestantesimo liberale.

Il determinismo culturale accademico e l’antidarwinismo.

La sinistra laica.

Il periodo della difesa etnica: 1880-1965.

Conclusione.

Note al cap. 6.

 

  1. L’IDEALISMO MORALE NEL MOVIMENTO ANTISCHIAVISTA BRITANNICO E IL

“SECONDO IMPERO BRITANNICO”.

Il contesto dell’Età della Benevolenza.

La psicologia dell’altruismo e dell’universalismo morale.

Il sistema empatico della personalità.

Idealismo morale e ideologia dell’universalismo morale.

Precedenti filosofici.

Empatia e abolizionismo.

Empatia e opposizione ideologica allo schiavismo: quaccheri, anglicani evangelici e metodisti.

I quaccheri.

Gli anglicani evangelici.

I metodisti.

Il puritanesimo come prototipo dell’“Età della Benevolenza”.

“Il secondo impero britannico” nel XIX secolo: un luogo più gentile e più mite.

La ribellione di Morant Bay in Giamaica e i suoi sostenitori in Inghilterra.

David Hackett Fischer: il “secondo impero britannico”.

La libertà di parola negli Stati Uniti e in Nuova Zelanda.

La rivoluzione emotiva in Inghilterra: un’ipotesi etnica.

Le origini etniche e il declino dell’ethos aristocratico in Gran Bretagna.

Conclusione.

Note al cap. 7.

 

  1. LA PSICOLOGIA DELLE COMUNITÀ MORALI.

I processi dell’identità sociale come adattamento alle comunità morali.

Il ruolo dell’empatia nelle comunità morali: altruismo e altruismo patologico.

Il controllo dell’etnocentrismo: processo implicito e processo esplicito.

Comunità bianche implicite.

Gestire l’etnocentrismo bianco: il problema dell’identità bianca non esplicita.

Differenze razziali nella personalità.

Alcuni sistemi elementari della personalità.

Il sistema dell’approccio comportamentale (SAC).

Il sistema amore / cura del legame di coppia.

Il controllo esecutivo prefrontale (CEP).

Le differenze razziali nella personalità di Richard Lynn: i bianchi sono più generosi ed empatici rispetto alle altre razze.

La teoria delle storie di vita.

Sfide psicologiche allo sviluppo di una cultura esplicita dell’identità e degli interessi dei bianchi.

L’interesse personale e le strutture anti-bianche.

La teoria dell’apprendimento sociale: conseguenze per chi non domina la cultura.

Benefici e rischi della coscienziosità.

La dissonanza cognitiva come forza di inerzia psicologica.

Meccanismi psicologici per un rinascimento bianco.

La consapevolezza del rischio di diventare una minoranza alimenta l’etnocentrismo bianco.

Le espressioni di odio nei confronti dei bianchi promuovono l’etnocentrismo bianco.

I processi dell’identità sociale.

L’estremismo della cultura scandinava: egualitarismo, fiducia, conformismo e processi decisionali basati sul consenso.

Il caso speciale della Finlandia.

Conclusione: l’importanza di modificare la cultura esplicita.

Note al cap. 8.

 

APPENDICE AL CAPITOLO 8: IL RECENTE DETERIORAMENTO CULTURALE: ALCUNE

CORRELAZIONI CULTURALI RIGUARDO ALL’ASCESA DI UNA NUOVA ÉLITE.

Il generale declino culturale in America a partire dagli anni Sessanta.

Conclusione: l’effetto trasformativo della rivoluzione controculturale degli anni Sessanta.

Note all’Appendice al cap. 8.

 

  1. TRADIZIONE PROGRESSISTA E MULTICULTURALISMO.

L’individualismo come fattore predisponente alla scienza e al capitalismo.

L’individualismo come fattore predisponente alla scienza.

L’individualismo come fattore predisponente al capitalismo.

Cosa è andato storto? La nuova élite e la sua avversione per la nazione che essa governa. I movimenti intellettuali di sinistra hanno approfittato della tradizione progressista occidentale.

L’argomento morale a sostegno degli interessi dei bianchi.

Conclusione: l’incerto futuro dell’Occidente.

Note al cap. 9.